THE FORGOTTEN WAR THAT CAN BURN THE WORLD

Credit: Giampaolo Rossi

Humberto Carvalho, 15/03/21.

In April of this terrible year 2021, seven years of war between Ukraine and the Donestk and Lugansk People's Republics in the Donbass region are completed.

Donbass is an energy-rich region, located east of Ukraine, on the southern border of Russia. Because of these long seven years, and because it is located in a region away from the “western glow” and, also, because Ukraine is dominated by the corrupt and bloodthirsty right-wing whose maintenance in power (not only in Ukraine) is of interest to the American empire, the world seems to have forgotten this tragedy that the people of Donbass are experiencing.

The reason for the war was the separation of the oblasti (meaning regions, in Russian, equivalent to our member states) from Donestk and Lugansk who proclaimed their independence from Ukraine, calling themselves popular republics and joined in a confederation, the Konfederatyvnaya Respublika Novorosiya ( Confederative Republic of Novarussia) or Soyúz Naródnij Respúblick (Union of the Popular Republics).

Donbass’s independence emerged as a reaction to the oligarchic and neo-Nazi coup that took place in Kiev and, to a large extent, encouraged by the local cells of the Communist Party and the Progressive Socialist Party, both from Ukraine, defeating the Party of the Region that supported the coup. perpetrated in Kiev.

The Minsk agreements reduced the scale of the war. But it was a hypocritical reduction because Ukraine, dominated by the neo-Nazis, would repeatedly break these agreements and invest against the rebellious people of Donbass, destroying houses, factories, Donestk airport, schools, universities and, of course, killing children, women, the elderly and military.

However, this situation tends to change for the worse.

Ukraine has long been preparing for a major offensive aimed at the military and political defeat of the Donbass rebels.

Indeed, with the support of the United States and some of its allies, Ukraine has a plan to strengthen its army to take the People’s Republics by storm.

In 2019, according to the ABC News website, the Trump administration approved the sale of $ 39 million worth of “defensive” lethal weapons to Ukraine. It also approved the sum of 400 million dollars to be used in military assistance to Ukraine. Part of this warmongering package is the delivery of Javalin anti-tank weapons, 150 missiles and two missile launching platforms (check out https://abcnews.go.com/Politics/trump-admin-approves-sale-anti-tank-weapons-ukraine/story?id=65989898).

Ukraine, too, bought Bayraktar drones from Turkey that made a “success” in the Azerbaijan war with Armenia over Nagorno-Karabakh (see https://www.trt.net.tr/portuguese/economia/2019/01/13/president-of-ukraine-agreement-on-the-import-of-drones-of-turkey-1124467).

As if that were not enough, on March 3 this year, already in the Biden administration, it was announced by Euro News that the Pentagon approved a $ 125 million military aid package for Ukraine, which includes military training, equipment and consultancy to, according to the United States, help Kiev to preserve the country’s territorial integrity, protect its borders and improve its links with NATO.

“This action reaffirms the United States’ commitment to providing lethal defensive weapons to enable Ukraine to defend itself effectively against Russian aggression. We obviously continue to encourage Ukraine to continue implementing reforms to modernize the defense sector, in line with NATO principles and standards, ”said Pentagon spokesman John Kirby (see https://pt.euronews.com/2021/03/02/pentagon-grants-military-aid-to-ukraine-against-russian-aggression).

With Joe Biden’s arrival at the White House, Washington promises to make Ukraine one of its foreign policy priorities, which implies increasing tension with Russia.

On March 11 of this year, the website Conflicts and Wars published an analysis by military specialist Oleksiy Valyuzhenich, which divided Ukraine’s current military pretensions into two phases: the first would consist of using drones to locate and destroy land defense lines and Donbass anti-aircraft defenses. The second phase would consist of using tanks supported by airplanes to invade and militarily occupy popular republics (see https://conflitosguerras.com/2021/03/o-possivel-cenario-de-guerra-em-donbass-no-leste-da-ucrania.html and also at https://corfiatiko.blogspot.com/2021/03/blog-post_775.html, this one in the Greek language, but with an English translation).

Faced with this situation, the President of the People’s Republic of Donestk, Denis Pushilin, stated: “tensions have increased in the contact line due to external and internal factors in recent days. External factors include President Biden of the United States who had a direct influence on “Maidan” and the overthrow of the government in Ukraine. The internal reasons are the difficult economic situation and the political crisis in Ukraine ”.

He added: “The attempt to resolve the Donbass conflict by force will be tantamount to suicide for Ukraine” (https://dan-news.info/en/world-en/dpr-head-calls-biden-s-policy -a-factor-behind-donbass-conflict-escalation.html).

Popular republics are rapidly calling for military conscription of people, according to their laws, which can serve in the armed forces (see https://info-portal.com.ua/2021/03/10/zhiteli-luganska-alchevska-i-perevalska-massovo-poluchayut-povestki-iz-voenkomatov/, is in Russian, with English translation).

Russia is trying to calm the mood by suggesting that Ukraine negotiate, directly with the People’s Republics, an end to the conflict. But that does not matter to Ukraine, which demands the reintegration of Donbass territories to the country.

But Russia will not be able to abandon the Donbass rebels because, in the first place, if it does, it will jeopardize the integration of Crimea into Russian territory since if Donbass returns to Ukraine, Crimea could also be claimed. Afterwards, militarily, it is important for Russia to have, on its border, a country independent of Ukraine, since an eventual invasion of Ukraine to Russia would first have to pass through an invasion of Donbass, if the plan is to invade Russia across the border south of Putin’s country.

Now we have to ask ourselves: what does the American empire want? Answer: a war against Russia. But, not a direct war – USA vs. Russia. It is a war that the Americans call a “proxy war”. In other words, the American war against Russia will have a “proxy” to make the war, Ukraine.

However, a direct conflict between Ukraine and Russia would inevitably lead to a worldwide conflict, in view of the alliance policies, mainly military, of these countries.

Imagine a world war when the world is suffering from the ill effects of a pandemic.

In the 1914-1918 war, the Spanish Flu emerged, a pandemic that decimated thousands of lives, including in Brazil, so far, geographically, from the scene of that war.

A world war these days, combined with the pandemic that defeats us, what will it do to Humanity?

FIGHT FOR PEACE AND VACCINES!

O MANIFESTO

Há 173 anos, no dia 21 de fevereiro de 1848, foi publicado, por vez
primeira, o Manifesto Comunista, escrito por Marx e Engels.
Escrito sob os impactos das revoluções de 1848, na Europa, visando dar
novos rumos à Liga dos Comunistas, representava o triunfo dos
defensores da nova linha proletária no quadro das discussões havidas no
interior da Liga.
Apesar de sua vetustez, esse documento histórico prima pela atualidade
e seu vigor intelectual reverbera, ainda, hoje em dia, oferecendo uma
concepção do Mundo.
Por tais razões, o Internacionalistas.org oportuniza sua leitura.

INDIA – as raízes da revolta camponesa: contra o agronegócio capitalista e a centralização

Por Pritam Singh*



As reformas do mercado agrícola recentemente aprovadas pelo governo da Aliança Democrática Nacional refletem a determinação do Partido Bharatiya Janata (BJP) de introduzir o agronegócio e avançar seu programa de centralização do poder econômico e da tomada de decisões.

A oposição às reformas por parte do campesinato, muitos governos dos estados federais e formações políticas regionais representa o maior desafio até o momento contra este governo. As medidas questionadas não levam em consideração as consequências ecológicas prejudiciais dessas reformas.

O Governo da Índia aprovou três decretos sobre a reforma do mercado agrícola em 5 de junho de 2020: o decreto sobre o acordo (de empoderamento e proteção) do campesinato sobre garantia de preços e serviços agrícolas; o decreto sobre o intercâmbio e comércio (promoção e facilitação) de produtos agrícolas; e o Decreto de Alteração da Lei de Produtos Essenciais, 2020. Esses decretos relativos ao comércio e ao preço dos produtos agrícolas, após serem aprovados pelo Parlamento indiano e ratificados pelo Presidente da Índia, tornaram-se leis.

A política agrária do atual governo, encabeçada pelo BJP, tal como definida nessas normas legais, constitui um ponto de inflexão, pois reflete o programa deste governo em favor da penetração do agronegócio capitalista e do controle centralizado da agricultura na Índia. A oposição a essas leis veio de três frentes: primeiro, das organizações camponesas, que temem pela sobrevivência das comunidades agrícolas em decorrência da apropriação do setor agrícola por empresas agroindustriais; em segundo lugar, dos governos dos estados federais, que temem a crescente interferência do centro nos direitos federais dos estados em matéria agrária; e em terceiro lugar, dos partidos regionais,

A pressa com que os decretos foram processados, e agora as leis, revelam de forma confiável os objetivos econômicos e políticos do governo nessa questão. Não há nenhuma emergência alimentar no país que obrigue o governo a agir com tanta pressa. Podemos, portanto, inferir que foram os interesses agroindustriais, que financiam e apoiam o BJP, que têm pressionado o governo a aproveitar a oportunidade da emergência sanitária gerada pela Covid-19 para processar rapidamente as leis sem fazer muito barulho ou incitar avaliações críticas. Parece que o governo não previu a dimensão do protesto que essas medidas de política agrícola têm provocado.

O que acontecer a esta oposição, agora no campo extraparlamentar, e a resposta que o governo der, serão decisivos não só na determinação da economia política da agricultura na Índia, mas também no destino da democracia, federalismo e pluralismo. Índia. O confronto entre o centro e as múltiplas formas de oposição a ele em relação a essas iniciativas agrícolas se agravou a partir do dia seguinte à promulgação dessas leis. Além disso, os governos dos Estados de Kerala, Punjab e Bengala Ocidental planejam, cada um por conta própria, desafiar essas leis na Suprema Corte. Se o tribunal anular essas leis, por considerar que violam a Constituição da Índia, e negar ao governo central o direito de legislar em matéria agrária quando a agricultura é de competência dos Estados,

Por que o campesinato se opõe?

O objetivo fundamental das três leis é favorecer o investimento privado de empresas agroindustriais nacionais e estrangeiras na produção, processamento, armazenamento, transporte e comercialização de produtos agrícolas dentro e fora do país. As pressões por investimento estrangeiro direto (IED) na agricultura indiana por parte de multinacionais do agronegócio já acontecem há algum tempo. Já houve algum IED na agricultura indiana, especialmente no cultivo sob contrato de alguns produtos, mas essas novas regulamentações abrem caminho para um novo impulso ao IED na agricultura. Reformas de marketing, portanto, são componentes cruciais desta legislação.

Os argumentos que o governo aduz em defesa dessas medidas indicam que se trata de ampliar as opções e a liberdade dos agricultores de vender para além dos mandislocais (mercados), isto é, de espaços de mercado notificados do APMC (Comitê de Mercado de Produtos Agrícolas) e das fronteiras de seu Estado [2]. O objetivo do governo, com sua campanha massiva na mídia a favor desses argumentos, é tornar essa política aceitável para a comunidade camponesa. No entanto, a liberdade que está realmente se ampliando é a das grandes empresas agroindustriais, tanto dentro quanto fora da Índia. Os mais afetados serão os camponeses marginais, pequenos e médios, cujo poder de barganha perante as gigantescas empresas, dotadas de enormes recursos, será tão escasso para fechar contratos de preços e garantir sua efetiva aplicação, que acabarão sendo escravos dos tentáculos dos projetos de grandes empresas.

A Lei do Comércio e Comércio (Promoção e Facilitação) de Produtos Agropecuários, 2020, menciona o trigo, o arroz, a cana-de-açúcar e o algodão, entre outros produtos abrangidos por esta lei. Esses são os principais produtos do setor agrícola de Punjab e Haryana, os dois principais estados na produção de alimentos. O mecanismo de resolução de disputas entre um agricultor e um comerciante que contempla a norma é altamente tendencioso contra o primeiro devido à relação desigual de forças que realmente existe entre um agricultor (especialmente se ele for marginal, pequeno e médio) e um comerciante, especialmente se ele for um grande entidade agroindustrial. A disputa pode ser submetida a várias instâncias de jurisdição administrativa, começando pelo juiz distrital.

No entanto, um agricultor insatisfeito, sem recursos, conhecimento e tempo, não se atreverá a se opor a empresas poderosas que podem contratar advogados ilustres na Justiça. A possível penalidade prevista na lei em caso de arquivamento de ação e declaração de quebra de contrato fará com que o agricultor reflita muito antes de processar uma empresa poderosa, que graças à sua capacidade financeira pode assumir o risco de ter que pagar uma indenização . Dependendo da natureza da quebra de contrato, a pena variaria de 25.000 a 1 milhão de rúpias. Se a não conformidade persistir, uma multa de Rs 5.000 a Rs 10.000 por dia pode ser imposta. Não apenas um pequeno agricultor,

Preço mínimo de suporte

Não há previsão na legislação sobre a continuidade do preço mínimo de apoio (MSP) [3], que é relevante principalmente para o trigo e o arroz, os dois principais produtos alimentícios cultivados em Punjab e Haryana e, em menor escala, no outro Estados. O Acordo de Agricultores (Capacitação e Proteção) sobre Garantia de Preços e Lei de Serviços Agrícolas de 2020, em vez de estipular o MSP, simplesmente menciona um “preço remunerativo” que um agricultor deve concordar em um contrato com “empresas agroindustriais, processadores, atacadistas , exportadores ou grandes comerciantes ”. O contrato também deve especificar “a qualidade, o tamanho e os padrões” do produto vendido pelo agricultor.

A formulação da disposição relativa à modificação ou rescisão do contrato levanta temores sobre a vulnerabilidade adicional do agricultor. O artigo 11 da lei diz: “A qualquer momento após a assinatura de um contrato de cultivo, as partes podem modificar ou rescindir o contrato por mútuo acordo por qualquer causa justificada.” Com uma relação de forças desigual entre um agricultor e uma empresa, o consentimento do primeiro para modificar ou cancelar um contrato pode estar sujeito a fortes pressões econômicas e não econômicas. O mecanismo de resolução de disputas em relação ao preço e qualidade do produto também prejudica o agricultor.

Uma vez que se soube publicamente que o MSP estava sendo descartado, o temor de que o abandono total do MSP do trigo e do arroz, além de suscitar a oposição das comunidades camponesas dos Estados produtores desses alimentos, pudesse comprometer os objetivos das compras públicas , o que poderia prejudicar a disponibilidade de alimentos e causar inquietação social em áreas deficitárias, fez com que muitos porta-vozes do governo tentassem tirar a bola para fora, anunciando que o MSP permaneceria. Mesmo que essas promessas sejam relutantemente invocadas e o MSP não seja abolido por razões estratégicas por um tempo, deve-se notar que o MSP serviria apenas para pagar os agricultores até que as metas de aquisição decididas pelo governo fossem atingidas. Assim que o objetivo for alcançado, o governo não precisaria mais comprar mais. Os agricultores, sem essa estrutura de apoio, ficarão expostos às flutuações do mercado e à pressão descendente sobre os preços de seus produtos devido ao excesso de oferta acima das metas de compras.

Não se pode excluir que no início, durante alguns anos, o governo central aconselhou e encorajou os grandes comerciantes de produtos agrícolas a oferecer aos agricultores preços mais elevados do que os disponíveis nos mercados APMC. Uma vez que as estruturas da CMPA sejam destruídas por esta competição fraudulenta, os agricultores ficarão completamente à mercê dos grandes comerciantes, que sem dúvida tirarão vantagem de sua vulnerabilidade aumentada.

Minha interpretação de muitas iniciativas, incluindo as mais recentes, deste governo no campo da agricultura é que seu propósito é enfraquecer a capacidade econômica dos pequenos ou médios agricultores a tal ponto que eles são forçados a vender desesperadamente suas terras. a grandes empresas agroindustriais nacionais ou estrangeiras. Esses fazendeiros, despojados de suas minúsculas propriedades, se tornarão trabalhadores assalariados. O excesso de oferta de trabalho na economia rural e – devido à migração forçada por razões econômicas – na economia urbana, reduzirá os salários e aumentará os lucros das empresas agrícolas e industriais capitalistas. Este é o significado oculto da expressão “transformação da agricultura” que é usada para vender esta iniciativa.

A resistência do campesinato a essas leis, como pode ser visto no grande sucesso da Bharat Bandh [greve geral e nacional] em 25 de setembro, pode acabar sendo o maior desafio político que o BJP enfrentou desde que recuperou o poder. Em 2019 (…) No caso de um maior confronto do movimento camponês contra essas leis e o governo, é possível que este use a mesma tática para suprimir as organizações camponesas que já usou contra outros opositores; a saber: rotular os dissidentes de esquerda como naxalitas [4], ativistas de origem muçulmana como terroristas e os oponentes sikh como jalistanos [5]. O fato de já haver alguns apoiadores do governo usando o rótulo Naxalites e terroristas para se referir a ativistas camponeses indica que isso pode refletir um aspecto da estratégia do governo.

No entanto, o governo não pode recorrer a esses métodos por medo de que saia pela culatra, dado o apoio público massivo, ainda que com diferenças, de que as organizações camponesas desfrutam em todos os estados. Em vez disso, o governo pode ter como alvo seletivo apenas ativistas camponeses de esquerda, rotulando-os de naxalitas e simpatizantes naxalitas. A resposta do movimento camponês em um sentido amplo a essa repressão seletiva testaria a maturidade política e a cultura de solidariedade das organizações camponesas.

O que os Länder temem?

Desde a redação da Constituição em 1949 até que foram introduzidas várias emendas, tem havido contínuas tentativas de ingerência do centro na agricultura, quando na Constituição foi definido como competência dos Länder. A Lei de Produtos Essenciais (Emenda) de 2020 leva esse processo muito mais longe e constitui, de longe, o ataque mais devastador aos direitos agrícolas federais dos estados. O slogan “Uma Índia, um mercado agrícola” exercido pelo governo diz tudo sobre o propósito centralizador velado desta iniciativa.

Em alguns escritos acadêmicos e jornalísticos sobre a política econômica indiana em geral e essas últimas iniciativas agrárias do centro em particular, circula o equívoco de que o enfraquecimento do regime regulatório do governo, ao favorecer a privatização, conforme proposto nessas reformas desregulatórias, levaria à descentralização e a devolução de mais poderes aos Estados. As raízes desse erro residem na incapacidade de reconhecer que o nacionalismo centralizado e unitário, em oposição a reconhecer o caráter plurinacional do país, foi a chave para a configuração da economia capitalista indiana, na qual o centro foi dotado de excessivos poderes para construir um nacionalismo unitário. Como resultado, o aumento da privatização resultante das reformas desregulatórias não se opõe necessariamente à centralização [6]. A Lei de Produtos Essenciais (Emenda) de 2020 pode ser considerada o exemplo mais claro que confirma a tese de que a centralização e a privatização na Índia podem coexistir e até mesmo se fortalecerem mutuamente. O reforço da centralização e da privatização são as características mais marcantes desta lei.

A extensão do ataque à já limitada autonomia de que os Estados atualmente gozam se reflete da forma mais flagrante na formulação do artigo 12 da Lei de 2020 sobre o intercâmbio e o comércio (promoção e facilitação) de produtos agrícolas: «O governo central, ao colocar em prática as disposições desta lei, pode emitir as instruções, diretrizes e ordens e fixar as diretrizes que julgar necessárias para qualquer autoridade ou funcionário subordinado ao governo central, a qualquer governo estadual ou qualquer autoridade ou funcionário subordinado. a um estado governo ».

A óbvia restrição dos poderes federais dos estados só pode ser negligenciada por lideranças políticas em nível estadual, que têm uma visão muito limitada da política. O enfraquecimento da autonomia dos Estados não pode ser expresso de forma mais grosseira do que implica a formulação do artigo 16 da Lei do acordo (de empoderamento e proteção) do campesinato sobre a garantia de preços e serviços agrícolas dos 2020: «O governo O escritório central poderá expedir as instruções que julgar necessárias aos governos estaduais para a efetiva implementação do disposto nesta lei, devendo os governos estaduais cumprir tais instruções [grifo do autor]”.

Nenhum governo estadual terá margem para se desviar dessas diretrizes centrais [7].

O ataque da Lei de Câmbio e Comércio (Promoção e Facilitação) de Produtos Agrícolas de 2020 contra os recursos fiscais dos Estados também é claro no dispositivo que estipula que nenhuma regulamentação da CMPA por um Estado ou qualquer outro regulamento do Estado que eles possam impor “nenhum direito de acesso ao mercado, imposto ou taxa.” Depois de privar os Estados de suas antigas receitas de impostos sobre vendas, substituindo-as pelo Imposto sobre Bens e Serviços (GST), controlado pelo centro, e recusando-se a compensar os Estados por essa perda de receita, isso constitui um novo ataque que visa enfraquecer financeiramente os Estados e torná-los mais dependente do centro.

Essas reformas agrárias, além das tensões verticais entre o centro e os estados federais que elas acarretam, contêm o perigoso potencial de gerar novas tensões federais horizontais (tensões entre estados) e concomitantes conflitos de classe. Os estados que dependem da agricultura, como Punjab e Haryana, e os camponeses desses estados, seriam os mais afetados pelo enfraquecimento das estruturas de preço mínimo de apoio. Em contraste, os estados mais industrializados, como Gujarat e Maharashtra, e os interesses de grandes empresas (especialmente do setor agrícola) sediadas nesses estados, se beneficiariam de um acesso maior e mais fácil aos alimentos e matérias-primas agrícolas de outros. Isso agravará as tensões regionais e de classe.

Aspirações e identidades regionais

A principal intromissão central que essas leis implicam nos direitos agrícolas federais alarma todos os estados, embora os governados pelo BJP nada tenham dito ou endossado as iniciativas do governo central. As formações regionais vêem o aumento da centralização como uma ameaça à solidez dos interesses, aspirações e identidades regionais. As turbulentas relações com o Shiv Sena e o Shiromani Akali Dal (SAD), dois dos mais antigos aliados do BJP, expressam de forma diferente a tensão entre as perspectivas ideológicas do Hindutva centralista e as aspirações regionais [8].

A tensão gerada pelas leis agrárias levou à demissão do representante da SAD, Harsimrat Kaur Badal, do Conselho de Ministros da União, a primeira demissão experimentada por um governo central do BJP por motivos políticos. O governo de coalizão liderado pelo BJP no estado de Haryana, com seu aliado regional Jannayak Janta partido de Dushyant Chautala, pode enfrentar uma crise se o vice-primeiro ministro Chautala acabar quebrando a coalizão como resultado da pressão de organizações camponesas, que Chautala atualmente apóia em seu campanhas contra as leis agrárias.

Embora difiram em muitos outros aspectos, o BJP e o Partido do Congresso são centralistas em sua perspectiva política de criar uma identidade nacional indiana unificada. Por isso, ambos os partidos se opõem à articulação de identidades regionais. No entanto, o BJP atualmente tem uma abordagem muito mais agressiva do que o Partido do Congresso na centralização. Seu slogan “Um país, um mercado agrícola”, que usa em defesa de suas políticas agrárias consagradas nas leis agrárias, a promoção agressiva do hindi em detrimento das línguas regionais (muito mais do que o Partido do Congresso jamais fez durante reinado), sua decisão de abolir o status constitucional e o status de Jammu e Caxemira [9] e sua Nova Política Educacional,

Visto que o BJP vê as identidades regionais com suspeita, como uma subversão de seu programa geral de promoção da identidade hindu, as regiões suspeitam que a visão do BJP visa a supressão de identidades regionais. A tensão entre os estados – os espaços de diferentes identidades regionais – e o centro em torno das leis agrárias tem contribuído para reforçar os temores das identidades regionais diante do programa unitário do BJP do Hindutva .

Preocupações ecológicas

Discutimos os três principais aspectos da resistência às leis agrárias, mas é importante mencionar, ainda que brevemente, as terríveis consequências ecológicas que resultarão da aplicação dessas leis, pois essa dimensão foi totalmente relegada nos debates em curso sobre Este. questão. A destruição da agricultura local e regional e sua incorporação aos sistemas comerciais pan-indianos e globais multiplicarão o transporte. O aumento destes irá gerar maiores emissões de carbono, poluição, destruição de ecossistemas e comprometimento da saúde de todos os seres vivos, humanos e não humanos. É o oposto de autossuficiência ( atmanirbharta) que o governo tem proclamado, obviamente de forma hipócrita, como seu objetivo.

É preciso também começar a repensar a importância mais ampla da agricultura no discurso do desenvolvimento . Tanto o pensamento tradicional da direita (os estágios de crescimento de Rostow e o modelo de economia dual de Lewis servem como um exemplo dessa forma de pensar) quanto o pensamento dominante da esquerda (a coletivização de Stalin como uma forma extrema dela) entendem o desenvolvimento e o crescimento como um caminho que segue da agricultura à indústria e serviços.

Na era das mudanças climáticas globais, quando o planeta Terra enfrenta uma ameaça existencial de aquecimento global e perda de biodiversidade decorrente de trajetórias tradicionais de crescimento econômico, tanto da direita quanto da esquerda tradicionais, é necessário repensar a importância fundamental da agricultura e do modo de vida camponês, que sejam compatíveis com a sustentabilidade ecológica. A visão ecossocialista como uma crítica ao pensamento tradicional de direita e esquerda constitui uma tentativa de enfrentar o desafio ecológico que a humanidade enfrenta atualmente.

Conclusões

Somente por meio da ação concertada e coletiva de organizações representativas do campesinato marginal, pequeno e médio, será possível reverter a virada destrutiva multidimensional da política econômica que essas leis agrárias simbolizam. Também responde ao interesse econômico e constitui um dever moral de todas as formações políticas e governos estaduais que apóiam o federalismo, o pluralismo e a sustentabilidade ecológica, de coordenar seus esforços para se opor a esta iniciativa. A luta pelo federalismo e pela diversidade é também uma luta pela democracia. O enfraquecimento do federalismo contribui para a concentração do poder econômico e político no centro e o surgimento de tendências políticas autoritárias, cuja orientação também é antiecológica.

Um sinal da sinceridade e do compromisso de quem faz um esforço coordenado para reverter a política contida nestas leis agrárias seria declarar que em qualquer governo central do qual venham a fazer parte no futuro anularão essas mudanças e recuperarão o cláusulas constitucionais para ampliar as atribuições dos Estados na gestão da agricultura. Existem também outras áreas, como a indústria, o setor financeiro e a educação, em que é preciso lutar pela devolução dos poderes aos entes federados, mas como a agricultura está ligada à terra e à fonte de alimentos, ela está continua a ser a área mais crucial para o direito dos Estados de reter sua autonomia. EUA, China, Europa, Reino Unido, Canadá, Japão, Coreia do Sul,

Proteger a agricultura como competência do Estado na federação indiana e resistir à entrada do capitalismo agroindustrial certamente será a batalha econômica, política, social e cultural da Índia nos próximos anos. Entender a gravidade desse problema seria decisivo para avançar na perspectiva de fortalecimento da descentralização, diversidade, democracia, agricultura local e sustentabilidade ecológica.

*Pitram Singh – Dr Pritam Singh é Professor de Economia na Oxford Brookes Business School, Oxford Brookes University, Oxford, UK.

Fonte:https://rebelion.org/las-raices-de-la-revuelta-campesina-contra-el-agronegocio-capitalista-y-la-centralizacion/


EUA: decadência e eleições

por JORGE CADIMA

O declínio dos EUA caminha a passos largos para a decadência, que se manifesta sob múltiplas formas. Entre elas, a intensidade da guerra que opõe sectores diversos das classes dominantes e o desastre sanitário e social da epidemia Covid-19. Apesar da anunciada vitória do quase octagenário Joseph Robinette Biden Jr. nas eleições presidenciais de 2020, o Presidente do país fala em fraude. O descrédito dos EUA torna-se indisfarçável.

A quota-parte dos EUA no PIB mundial não pára de diminuir. Os EUA estão a ser economicamente ultrapassados pela República Popular da China, um processo que a pandemia acelerou ainda mais. A transferência de produção para países de mão-de-obra barata levou à desindustrialização de vastas zonas dos EUA e ao empobrecimento acentuado de largas camadas da população. Hoje o descontentamento social é enorme e atingem-se níveis de desigualdade e concentração da riqueza que não eram vistos desde há muitas décadas, agora agravados com a Covid. As benesses e a evasão fiscal do grande capital, bem como a gigantesca máquina de guerra imperialista (militar e dos serviços secretos) afundam as contas públicas, provocando um endividamento insustentável.

São enormes os perigos resultantes da recusa da classe dominante da super-potência imperialista – de todas as facções – em aceitar o seu declínio.

Mudança qualitativa na economia mundial

Em 2000, uma década após a destruição da URSS, os dados do FMI 1 indicavam que o PIB (nominal) dos EUA representava quase um terço (31,8%) do PIB mundial e mais do dobro da segunda maior economia nacional, o Japão (15,2%). A economia da China representava então apenas 3,4% da economia do planeta. Escassas duas décadas mais tarde, as estimativas do FMI para 2020 indicam que o PIB nominal dos EUA é inferior a um quarto do PIB mundial (24,8%) e o da China cresceu para 17,7%. O Japão, em estagnação desde o final do milénio, fica-se pelos 5,9%. Se em vez do PIB nominal, baseado em taxas de câmbio, se utilizar a medida do PIB PPP (Paridade de Poder de Compra) que procura ter em conta o valor real da produção, a China é já a maior economia mundial, com 18,6% do PIB mundial, face a apenas 16,0% dos EUA e 14,9% da União Europeia no seu conjunto. A tendência acentua-se, já que a única grande economia mundial que está a crescer neste contexto de pandemia é a chinesa.

As alterações quantitativas estão a transformar-se em alterações qualitativas. Na nova correlação de forças económicas mundial, a dinâmica de crescimento está a passar rapidamente do contexto euro-americano para o continente asiático, com destaque para a China. Uma realidade ilustrada pela assinatura em Novembro do RCEP, o maior acordo de livre comércio de sempre, entre países que representam um terço da economia – e da população – mundial: países da ASEAN mais a China, Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia. Ausentes os EUA e países da UE.

O crescimento da China abrange cada vez mais sectores tecnológicos de ponta (telecomunicações e 5G, inteligência artificial, computação quântica, exploração do espaço, robotização, automatização dos portos), em grande medida assente na capacidade científica e tecnológica nacional. Daí a autêntica guerra movida pelos EUA, e cada vez mais também pelos seus satélites europeus, contra empresas chinesas como a Huawei e contra a chamada Nova Rota da Seda. Para o grande capital norte-americano ou das grandes potências imperialistas europeias, ‘liberdade de mercado’ e ‘abertura de fronteiras’ são conceitos que só são bons quando são eles os beneficiários.

A opção de Trump em afirmar a supremacia dos EUA através do conflito permanente com adversários e aliados assenta numa realidade objectiva: a situação dos EUA é insustentável. A dívida nacional é impagável. O declínio económico mina a capacidade de afirmar a sua hegemonia mundial. Trump quis pôr os outros a pagar a máquina imperialista de policiamento global, mas mantendo uma unilateral supremacia dos EUA. Acirrou rivalidades. Os objectivos da facção rival não são diferentes na sua essência. O que os divide são sobretudo as formas de alcançar o objectivo comum da supremacia dos EUA.

Um caldeirão social

A ofensiva no plano internacional tem como reverso da medalha o brutal ataque aos níveis de vida dos trabalhadores e do povo dos EUA, em particular desde os anos 80. Já em 2016 a situação de vastas camadas de trabalhadores era dramática 2. A vontade de mudança ajudou à eleição de Obama em 2008. As expectativas goradas e a candidatura dum personagem tão intensamente identificado com as guerras imperialistas e a corrupção como Hillary Clinton levou a que, em 2016, parte desse enorme descontentamento fosse canalizado para a eleição de Trump, um candidato que se apresentava como exterior ao sistema e que prometia pôr fim às infindáveis guerras dos EUA nos quatro cantos do mundo e à corrupção reinante no ‘pântano’ de Washington. As promessas cedo se revelaram aquilo que não podiam deixar de ser: mentiras dum candidato que, apresentando-se como ‘anti-sistema’, era na realidade expressão desse mesmo sistema e da sua decadência. Trump logo revelou a sua política de promoção gangsterista das empresas e negócios dos EUA no plano mundial. Rasgou múltiplos acordos e tratados subscritos pelos EUA. A natureza de classe da sua política foi evidente também no plano interno, com os seus cortes de impostos favorecendo os ricos. Aumentou substancialmente os orçamentos militares e, não tendo começado novas guerras convencionais, aprofundou as agressões e subversões sob múltiplas formas contra a China, o povo palestiniano, o Irão, Venezuela, Bolívia e Cuba, entre outros. As benesses ao grande capital e aos ricos traduziram-se numa nova euforia bolsista e especulativa, sem qualquer ligação com a realidade económica. Políticas que contribuíram para aumentar ainda mais a incomportável dívida nacional dos EUA. No ano 2000 essa dívida era de apenas 55% do PIB. Já representava 109% antes da epidemia Covid e ultrapassa hoje os 27 biliões (milhões de milhões) de dólares, aproximando-se dos 130% do PIB 3.

O apadrinhamento por Trump de forças de extrema-direita e da violência policial sem freios foi notória. O assassinato de George Floyd, em Maio, catalizou um dos maiores protestos da história recente dos EUA, que sendo em primeiro lugar contra o racismo e a brutalidade policial de que são vítimas as camadas mais pobres da população, foi igualmente expressão do profundo mal-estar social no país.

A epidemia Covid-19 tornou gritante o desprezo da super-potência norte-americana pelo seu povo. Uma espécie de Furacão Katrina à escala nacional. Os EUA são de longe o país com mais casos e mais mortes (cerca de 275 mil no início de Dezembro) de Covid-19. Uma realidade que é inseparável da ausência dum Serviço Nacional de Saúde e de garantias sociais básicas na legislação nacional, como baixas médicas pagas. Inseparável também dos níveis dramáticos de pobreza e desigualdade social, que aumentaram escandalosamente com a pandemia 4. Ao longo dos nove primeiros meses de pandemia, mais de 67 milhões (!) de trabalhadores nos EUA fizeram novos pedidos de subsídio de desemprego 5, valor sem precedentes na história do país (nem mesmo nos anos 30). Segundo a Bloomberg, «estima-se que o número de Americanos a enfrentar a fome vai aumentar em 45% no corrente ano, atingindo 50 milhões» 6. São milhares os americanos que formam bichas para receber alimentos em distribuições caritativas. Milhões enfrentam a ameaça de serem despejados das suas casas no final do ano, caso não seja renovada a moratória aos despejos 7. Entretanto, o banco suíço UBS estima que os maiores multi-milionários aumentaram em 27,5% as suas já obscenas fortunas 8.

As eleições nos EUA

A epidemia Covid quase certamente custou a reeleição a Trump. Tendo por base os resultados oficiais, a vitória de Biden é clara na votação global: mais de 80 milhões de votos contra menos de 75 milhões para Trump. Os resultados ao nível das duas Câmaras do Parlamento são menos favoráveis aos Democratas, que perdem assentos na Câmara de Representantes. O controlo do Senado está ainda dependente de duas eleições a realizar em Janeiro. Ao nível de órgãos estaduais, os Democratas sofrem derrotas importantes.

Mas à data da escrita deste artigo o desfecho das eleições presidenciais de 3 de Novembro 2020 continua a ser alvo de processos judiciais e insistentes acusações de fraude por parte de Trump que, de acordo com a empresa de sondagens Rasmussen, são consideradas credíveis por 47% dos eleitores norte-americanos incluindo 30% dos eleitores Democratas 9. Tudo aponta para o prosseguimento de profundas clivagens políticas. Já em 2016 os Democratas inventaram uma suposta ‘interferência russa’ que teria conduzido à vitória de Trump. Se há algo inquestionável é que os EUA, que gostam de dar lições sobre democracia, têm um sistema político em profundo, mas merecido, descrédito.

O sistema eleitoral norte-americano é oligárquico: apenas permite a eleição de candidatos com patrocinadores multimilionários. Cria barreiras intransponiveis a candidaturas independentes em relação ao Capital, muito para além do condicionamento resultante do controlo pelo grande capital da comunicação social e da publicidade. Milhões, em geral das camadas populares, são privados do direito de voto através de mecanismos diversos (como a extinção de locais de voto, existência de dívidas ao Estado ou condenações penais) 10. O voto popular não elege o Presidente, mas representantes num colégio eleitoral que mais tarde elege o Chefe de Estado. O sistema eleitoral é presa fácil de falsificação, muito para além do condicionamento resultante do controlo pelo grande capital da comunicação social e da publicidade. Não há uma Comissão Eleitoral Nacional; há legislações diferentes em cada Estado e regras diferentes em condados dum mesmo Estado; existem máquinas de voto cujo funcionamento é segredo comercial e sem boletins em papel que comprovem o sentido de voto dos eleitores. Em 2020 quase dois terços dos votantes votaram antes do dia das eleições (cem milhões!), dos quais mais de 60% por correspondência 11. Se a epidemia ajuda a explicar a duplicação destes números face a 2016, não deixa de ser verdade que numa eleição decidida em muitos Estados por pouco votos, a existência dum tal número de votos por correspondência abre portas a acusações de fraudes.

O futuro dirá quais as políticas do novo Presidente dos EUA. Independentemente de diferenças de estilo e de alguns conteúdos, não há razões para grandes expectativas. Biden é, tal como Presidentes anteriores, um produto do sistema e contou com o apoio dos poderes instituídos, nos EUA e além-Atlântico, entre os quais conhecidos neocons defensores de todas as guerras, como William Kristol 12 e alegadamente também do ex-Presidente Bush e a viúva de John McCain 13. O Economist proclamou em editorial que «Tem de ser Biden» 14, tal como o Financial Times, pela voz de Martin Wolf 15. Biden foi activo promotor da guerra contra o Iraque em 2003 (a das inexistentes ‘armas de destruição em massa’) 16. Enquanto Vice-Presidente de Obama, é responsável pelas guerras da Líbia, Síria, Iémene e pelo golpe na Ucrânia, entre outros. Durante a campanha, declarou que a ilegal transferência da Embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém «não deveria ter acontecido […] mas agora que aconteceu não regressaria a Telavive» 17. A escolha de Kamala Harris para Vice-Presidente e as indigitações para lugares no novo Governo apontam para o prosseguimento da política de afirmação da hegemonia mundial dos EUA. A diversidade dos membros do novo Governo em matéria de sexo, idade ou cor da pele esconde uma total uniformidade em matéria de servir os interesses imperialistas. Tão imoralmente sintetizados por Neera Tanden, que Biden nomeou para chefiar o Office of Management and Budget, uma espécie de Ministério das Finanças cujo objectivo principal é elaborar os Orçamentos de Estado. Em 2011, logo após a destruição da Líbia pela guerra da NATO, a senhora Tanden respondeu à cínica pergunta se «a Líbia nos deve compensações» com uma resposta reveladora: «Temos um défice gigante. Eles têm muito petróleo. A maioria dos Americanos não se quer envolver no resto do mundo por causa desse défice. Se nos queremos continuar a envolver, não me parece que gestos como pôr países ricos em petróleo a compensar-nos parcialmente sejam nada de louco» 18. Podia ser um tweet de Trump. Esta é a real face da ‘ala liberal’ do regime norte-americano.

O poder não está nas mãos dum Presidente, mas no aparato (económico, político e mediático) ao serviço do grande capital. Facto evidenciado por Jim Jeffrey, enviado de Trump para a Síria e agora conselheiro de Biden. Revelando-se na vida real uma espécie de Sir Humphrey da famosa série televisiva britânica Yes, Minister, Jeffrey gaba-se de ter mentido a Trump para evitar que este retirasse as tropas dos EUA na Síria: «Estávamos sempre a jogar a gato e ao rato para não tornar claro aos nossos dirigentes quantos soldados tínhamos na Síria», estando o Presidente convencido que eram apenas 200 «quando eram muitos mais» 19.

Perigos

O declínio dos EUA e UE e a ascensão da China estão a causar pânico nas capitais das velhas potências imperialistas. Não aceitam uma alteração da correlação de forças mundial que lhes retire a supremacia hegemónica a que se habituaram. Dando sequência a uma tendência que vem do tempo de Obama, as várias doutrinas militares dos EUA passaram nos anos de Trump a considerar que a «rivalidade entre grandes potências» é a «maior ameaça» para os EUA. Ou seja, que a ascensão económica da China e a recusa da Rússia em se submeter aos ditames do eixo atlântico têm de ser travadas por todos os meios, incluindo a força. Se durante a Presidência Obama o alvo preferencial era a Rússia, Trump apontou baterias contra a emergência chinesa.

Há 20 anos, o General Loureiro dos Santos antevia que se algum Estado ou grupo de Estados «reúnam capacidade para se opor ou desafiar os Estados Unidos [estes] precisarão de actuar. Isso não será para já, mas dentro de 15, 20 anos é praticamente inevitável» 20. Sublinhe-se que o General não falava dos EUA serem vítimas duma agressão, apenas de não aceitarem quem se lhes «oponha» ou «desafie». Tenebrosamente, desvalorizava o perigo duma catástrofe «nessa guerra que antevejo para daqui a 20 anos»: «possivelmente as outras armas de destruição maciça vão passar a ter um papel muito mais importante, nomeadamente a arma biológica. A arma atómica continuará a ser uma arma muito importante […] mas para as grandes potências deixará de ser um obstáculo». Uma expressão («obstáculo») que contém em si mesma a informação de quem é o agressor.

De forma bem mais lúcida, mas não menos preocupante, o Major General Carlos Branco fez recentemente um alerta semelhante. Considera que Trump «pretende concentrar recursos para o confronto contra o principal inimigo, evitando dispersá-los em combates secundários. A guerra já começou, não sabemos é como vai evoluir nem como terminará. A possibilidade de um confronto nuclear limitado na região [Ásia-Pacífico] existe e tem apoiantes, sobretudo se tivermos em conta a revisão da postura nuclear americana efectuada em 2018, em que essa possibilidade foi levantada. No lado americano, há quem defenda a possibilidade de se conter uma guerra nuclear no patamar táctico, sem ter necessariamente de se evoluir para o patamar estratégico. É um cálculo muito arriscado» 21.

Um artigo na revista Foreign Affairs sobre o «regresso da guerra entre grandes potências» dá voz a esses delírios: «Nas últimas décadas porém, os avanços tecnológicos enfraqueceram o [deterrente nuclear]. A combinação de ogivas miniaturizadas e de baixo rendimento e sistemas de condução altamente precisos tornaram pensável o que era outrora impensável: uma guerra nuclear ‘limitada’» 22.

Mesmo o sinistro ex-Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA Henry Kissinger está preocupado com o agravamento dos ataques dos EUA à China: «os nossos dirigentes precisam de discutir os limites para além dos quais não farão ameaças […]. Podem dizer-me que isso é totalmente impossível, mas se o for, resvalaremos para uma situação semelhante à da I Guerra Mundial»23.

Há um aspecto onde a eleição de Biden pode significar maiores perigos: uma eventual recomposição das fracturas entre as classes dominantes das velhas potências imperialistas dos dois lados do Atlântico pode criar a ilusão de que seja possível travar o declínio comum através da confrontação com a Rússia e China. Há preocupantes sinais duma adesão entusiástica da Alemanha às políticas de guerra e remilitarização acelerada, uma política que tem nas mentiras sobre o ‘caso Navalny’ a sua praxe de iniciação. Uma política com apoios desde a CDU de Merkel aos Verdes alemães. Inevitavelmente, essa reorientação tem reflexos na UE 24 e na NATO 25. Por detrás da conversa sobre uma «nova agenda UE-EUA para a mudança global» e uma «nova parceria atlântica» esconde-se a vontade de perpetuar uma hegemonia mundial euro-americana que já não corresponde à realidade económica. Afinal, o problema com o «América primeiro» de Trump estava só nas migalhas reservadas à UE. Não falam de paz, de cooperação entre todos os países, soberanos e iguais em direitos. Não têm nada para oferecer aos povos.

As lições da História não podem ser esquecidas. Os EUA são a maior potência militar da História e possuem o maior arsenal não convencional do planeta. O seu historial de crimes de guerra – com Republicanos ou Democratas – é infindável. São a única potência que alguma vez usou armas nucleares (no Japão, contra alvos civis). Também usou armas biológicas (como na Coreia 26) químicas (no Vietname e outros teatros). O imperialismo na Europa foi responsável pelos impérios coloniais e duas guerras mundiais. O perigo duma aventura que procure pela via da força suster e inverter o rumo da História é enorme. Seja com Trump, seja com Biden.

A luta contra a política agressiva do imperialismo e pela paz é um imperativo da hora actual.

Notas

(1) World Economic Outlook (WEO) Database, Maio 2001 e Outubro 2020.

(2) Veja-se o artigo «Sobre as eleições presidenciais nos EUA», in O Militante n.º 346, Janeiro 2017.

(3) www.forbes.com, 2.8.20.

(4) Para mais pormenores, veja-se o artigo «Covid-19: dois países nos EUA», in O Militante n.º 366, Maio 2020.

(5) New York Post, 12.11.20. Mesmo sabendo-se que muitos terão arranjado novos empregos, ou são responsáveis por mais do que um novo pedido ao longo dos nove meses, trata-se dum número tremendo.

(6) Bloomberg, Workers keeping America fed are going hungry in the Heartland, 2.9.20.

(7) https://www.vox.com, 27.12.20.

(8) The Guardian, 7.10.20.

(9) www.rasmussenreports.com, 19.11.20.

(10) The Guardian, 7.11.19.

(11) www.nbcnews.com/politics/2020-elections/president-results

(12) Washington Post, 11.7.20.

(13) New York Times, 6.6.20.

(14) Economist, 29.10.20.

(15) Financial Times, 27.10.20.

(16) The Guardian, 18.2.20.

(17) Aljazeera, 29.4.20.

(18) RT, 30.11.20.

(19) Outgoing Syria envoy admits hiding US troop numbers,www.defenseone.com, 12.11.20.

(20) Diário de Notícias, 13.3.00.

(21) Idem, 12.9.20.

(22) Cristopher Layne, Coming Storms. The return of Great-Power War. Foreign Affairs Nov/Dez 2020.

(23) RT, 8.10.20.

(24) Veja-se a «Nova agenda UE-EUA para uma mudança global», documento do Alto Representante para a Política Eerna e de Segurança da UE, de 2.12.20.

(25) Foreign Affairs, 1.12.20, «A NATO procura uma razão de ser para a era Biden».

(26) De realçar o recente trabalho de investigação de Jeffrey Kaye sobre o uso de armas bacteriológicas na guerra da Coreia pelos EUA (artigo de 26.9.20 em jeff-kaye.medium.com), incluindo a republicação (20.2.18) do relatório da Comissão Científica Internacional sobre o tema, presidida pelo conceituado cientista britânico Joseph Needham, que em 1952 confirmou os indícios de utilização de armas biológicas.

Fonte: http://omilitante.pcp.pt/pt/370/Internacional/1770/EUA–decad%C3%AAncia-e-elei%C3%A7%C3%B5es.htm?tpl=142

Con Biden habrá más revoluciones de color en AL

Las formas cambian, pero el fondo sigue siendo el mismo. En vez del muro, las restricciones a los inmigrantes y el discurso ultra de Donald Trump, vendrán las declaraciones “correctas” sobre la democracia, las mujeres y los afrodescendientes de Joe Biden. En vez del militarismo descarnado, las revoluciones de color ideadas por la Open Society de Soros para promover cambios de régimen que favorezcan sus intereses.

La pista la dio Thomas Shannon el primero de enero en una carta abierta en medios brasileños. Shannon fue embajador de Estados Unidos en Brasil en el gobierno de Obama y había sido subsecretario para Asuntos del Hemisferio Occidental con George W. Bush.

La carta de Shannon titulada “La delicada verdad sobre una vieja alianza” fue publicada en la revista Crusoé (https://bit.ly/2LLldiB), que funge como “periodismo independiente”, antibolsonarista ahora, pero cuyos fundadores jugaron un papel destacado en el proceso contra Lula que desembocó en su reclusión y en la destitución de Dilma Rousseff, operando entonces desde el influyente sitio El Antagonista (oantagonista.com).

Shannon comienza su carta asegurando que “la relación entre Brasil y Estados Unidos es una de las piezas fundamentales de la diplomacia en el siglo XXI”. Repasa luego las similitudes entre sus sociedades, para rematar que “el presidente electo (Biden) conoce bien Brasil y América Latina”, asegurando que “ningún presidente estadunidense comenzó su mandato con tal conocimiento y experiencia en la región”.

En la segunda parte de su misiva, Shannon emprende un feroz ataque al gobierno de Jair Bolsonaro, porque “ha hecho casi todo lo posible para complicar la transición en la relación bilateral”, al expresar su preferencia por Trump en las recientes elecciones y por haber criticado a Biden, quien pidió en un debate una acción más enérgica de Brasilia contra la deforestación.

Para Shannon es inadmisible que Bolsonaro haya “repetido las infundadas acusaciones de fraude del presidente Trump en los comicios estadunidenses”, ya que lo interpreta como un ataque a la democracia de Estados Unidos y al futuro gobierno de Biden.

Pero lo más grave empieza después. Shannon le dice al gobierno lo que debe hacer en tres aspectos (la pandemia, el cambio climático y la posición ante China respecto a las redes 5G) y luego amenaza. “Es algo que no se perdonará fácilmente ni se olvidará”, remata el diplomático.

Algunos podrán alegrarse, incluso en la izquierda, de que el nuevo gobierno de Estados Unidos le baje el pulgar a Bolsonaro. Por mi parte, tanto el silencio del Partido de los Trabajadores de Brasil como del propio Lula, muestran las dificultades de la izquierda frente al viraje en curso en la Casa Blanca.

No se trata de Jair Bolsonaro, sino de nuestros países, de la soberanía de las naciones. El presidente de Brasil debe ser condenado y apartado por su propio pueblo. Ha hecho todos los méritos para que la sociedad se movilice para destituirlo. Pero que desde el imperio amenacen con nuevas revoluciones de color, es una pésima noticia. Podrán atacar ahora gobiernos de ultraderecha, pero seguirán con todo lo que se les ponga en su camino, sea conservador o progresista.

La operación de derribar a Bolsonaro cuenta ya con un considerable apoyo mediático e institucional. La Orden de Abogados de Brasil, que jugó sucio contra Lula y pidió la destitución de Dilma (https://bbc.in/3soJjAA), está promoviendo ahora la destitución de Bolsonaro. Su presidente, Felipe Santa Cruz, declaró que “el ritmo del proceso será dictado por presión de las calles”, llamando, de hecho, a la movilización popular (https://bit.ly/3q5ntQS).

Para la derecha “democrática”, ésa que apuesta a la defensa del medio ambiente con medidas cosméticas, que engalana el gabinete de Biden con mujeres y afrodescendientes, pero sigue sosteniendo la violencia policial/patriarcal, llegó el momento de ponerle freno a la ultraderecha. Los bolsonaristas hicieron el trabajo sucio contra la izquierda, pero ya no le son útiles. Igual que Trump.

Para comprender este viraje basta con recordar las guerras centroamericanas, donde el Pentágono apoyó primero los genocidios militares para luego promover opciones “centristas”, como las democracias cristianas, para recomponer el escenario ante el fuerte desgaste de los golpistas de Guatemala y El Salvador.

Si el mandato de Trump fue abominable, el de Biden no lo será menos. Recordemos la guerra en Siria, la liquidación de la primavera árabe y la invasión de Libia, promovidas y gestionadas por el equipo que ahora retorna a la Casa Blanca.

En América Latina, las destituciones ilegítimas (“golpes” dicen otros) de Manuel Zelaya (2009), de Fernando Lugo (2012) y de Dilma Rousseff (2016), se produjeron bajo el gobierno “progre” de Barack Obama (2009-2017). No olvidemos a Trump. Pero tampoco que, de la mano de Biden, retornan personajes nefastos como Victoria Nuland, organizadora del golpe y la posterior guerra en Ucrania.

Fonte: https://jornada.com.mx/notas/2021/01/15/politica/con-biden-habra-mas-revoluciones-de-color-en-al/

Ucrânia: o colaborador dos nazistas – Stepan Bandera – foi homenageado em Kiev com a cumplicidade da União Europeia, que se recusa a votar a resolução condenando o nazismo na ONU

O ano começou mal na Ucrânia, onde em breve será aprovada uma lei que permitirá às regiões da Ucrânia armar milícias “nacionalistas”, apesar de o país ter um exército nacional! Um exército, é verdade, equipado pela NATO, largamente financiado pela União Europeia e treinado pelos Estados Unidos, que colocou assim os seus soldados em solo ucraniano. Esta notícia é ainda mais preocupante quando consideramos as atividades dessas milícias abertamente nostálgicas do Terceiro Reich e seus colaboradores ucranianos, terríveis e sinistros executores da Shoah (holocausto) e das repressões sangrentas.

Stepan Bandera era o líder da OUN (Organização dos Nacionalistas Ucranianos) , uma organização de extrema direita e seu braço armado (UPA – Exército Insurgente da Ucrânia) que colaborou ativamente com os nazistas e lutou contra o Armia Krajowa  (Exército Nacional, o mais importante setor da resistência polonesa ao nazismo) da Polônia, os guerrilheiros que resistiam na Iugoslávia com Tito e o Exército Vermelho na Ucrânia, Bielo-Rússia e Polônia. A UPA é responsável pela morte de dezenas de milhares de pessoas, principalmente mulheres e crianças da Polônia, Galícia e Volyn em uma terrível campanha de limpeza étnica. E ela também participou do genocídio dos judeus. Protegido pelo Ocidente, Bandera refugiou-se em Munique, onde foi assassinado em 1959. Rússia, Polônia, Israel e muitos outros países consideram Bandera um criminoso de guerra.

Enquanto os países da União Europeia se recusam a votar a resolução da ONU condenando o nazismo, na Ucrânia – como nos países bálticos – a União Europeia continua a apoiar a reabilitação dos nazistas e … a criminalizar, através de um virulento anticomunismo, os libertadores da Europa do fascismo, como o Exército Vermelho. Não é só em Kiev que os neonazistas desfilam nas ruas acobertado pelo silêncio cúmplice da União Europeia que salpica milhões de subsídios ao regime que foi instaurado através do golpe de Estado da Euromaidan. Este é também o caso dos Estados Bálticos. Na Polônia, são os memoriais de guerra do Exército Vermelho que estão sendo demolidos! E se os países da UE se recusam a votar a favor da resolução da ONU condenando o nazismo, o Parlamento Europeu em 2019 adotou uma resolução criminalizando … o comunismo, sendo que foram as foças comunistas que libertaram a Europa  do nazismo.

QUADRO DE VOTAÇÃO DA RESOLUÇÃO DA ONU

Fonte: https://www.initiative-communiste.fr/articles/europe-capital/ukraine-le-colabo-des-nazis-stepan-bandera-honore-a-kiev-avec-la-complicite-de-lunion-europeenne-qui-refuse-de-voter-la-resolution-condamnant-le-nazisme-a-lonu/

Lições do ataque ao Capitólio dos EUA

Por Phil Wilayto

O que aconteceu em 6 de janeiro, no Capitólio dos EUA, não foi um “protesto de partidários de Trump” e, sim, uma violenta tomada do Congresso por uma multidão fascista. E, embora cinco pessoas morressem e houvesse mais de 50 prisões, é óbvio para o grande público que esses infratores da lei, em sua maioria brancos, foram tratados de maneira muito diferente do que seriam se fossem negros ou outras pessoas de cor.

Você pode chamar isso de tentativa de golpe. Mas, não era um sinal de fascismo iminente. Foi uma multidão incitada por um egomaníaco enlouquecido por se tornar o único presidente em exercício em quase 30 anos a ser derrotado em uma eleição.

 Por que isso é importante dizer? Porque precisamos saber o que estamos enfrentando para que possamos estar preparados para lidar com isso.

 Não estamos na mesma situação hoje nos Estados Unidos. No meio de uma pandemia perigosa que levou a uma crise econômica para milhões e uma primavera e verão de rebeliões sustentadas contra assassinatos policiais e racismo sistêmico, a raiva generalizada contra o sistema foi desviada com sucesso para uma luta eleitoral entre os dois partidos do mais poderoso país capitalista. E porque a elite governante decidiu que era hora de Trump partir.

Donald Trump foi autorizado a se tornar presidente e permanecer no poder por quatro anos porque ele foi capaz de cortar impostos para os ricos, desregulamentar os negócios, reverter ganhos sociais e supervisionar um mercado de ações em disparada, o que resultou em muitos ricos se tornando muito mais ricos.

 Nem toda a elite ficou feliz com tudo o que Trump fez, mas os muito ricos podem viver com crianças imigrantes deixadas sozinhas em gaiolas, com a constante deterioração do meio ambiente, com a mudança climática acelerada e com o agravamento da opressão racial. Eles têm vivido com coisas muito piores desde a fundação da colônia da Virgínia em 1607.

 O que eles não podiam tolerar era a erosão constante do domínio dos Estados Unidos em escala mundial. A crescente hostilidade à China por todos os setores da classe dominante ocorre porque aquele país, que tem um controle estatal significativo sobre setores importantes da economia, está fazendo uma aposta séria pelo domínio econômico mundial, e Trump tem permitido que isso aconteça. Os EUA não são mais vistos como líderes em tecnologia, finanças e até saúde. Sua única reivindicação séria de “liderança” é como potência militar, embora esteja agora abandonando a guerra mais longa de sua história porque não conseguiu derrotar um inimigo reacionário mas determinado no Afeganistão, o 16º país mais pobre do mundo.

 Assim, a classe dominante surgiu com uma alternativa segura, uma figura do establishment que há muito provou seu compromisso com a defesa e expansão do Império Americano – Joe Biden. No longo prazo, isso é mais importante para o 1%  dos ricos do que cortes de impostos e lucros de curto prazo. A transição foi ameaçada por causa das profundas divisões no país, mas até mesmo Trump agora se comprometeu com uma “transição pacífica de poder” em 20 de janeiro, dia da posse.

 Então, como tudo isso se relaciona com a ação da multidão em 6 de janeiro em Washington, D.C.?

 O que precisamos saber  é se existiu qualquer apoio para um golpe real ou mesmo simbólico por parte de algum setor da classe dominante, como seria evidenciado pelo envolvimento de qualquer seção significativa da polícia ou dos militares. Se esse envolvimento existiu, não ficou evidente.

 Sim, a polícia do Capitólio se mostrou terrivelmente despreparada para o ataque, muito provavelmente porque eles não viram os fascistas declarados tão ameaçadores quanto os protestos anteriores do Black Lives Matter. Sim, houve relatos de policiais individuais tirando selfies com membros da turba e abrindo barreiras para permitir que eles entrassem no Capitólio. Mas quando a Guarda Nacional de D.C. foi ativada e juntou-se a centenas de soldados estaduais da Virgínia, Maryland e até mesmo de Nova Jersey para ajudar a polícia do Capitólio a remover a multidão, eles responderam. Policiais lutaram com membros da multidão, um dos quais foi morto a tiros. Três outras pessoas morreram devido ao que foi descrito como condições médicas. Um policial morreu devido aos ferimentos sofridos no confronto.

 É importante observar isso porque os policiais e os militares recebem ordens de seus superiores e, evidentemente, não havia apoio de alto nível para o ataque ao Congresso.

 E desde esses eventos, houve condenações ao ataque de todo o espectro político. Sete dos 13 senadores que antes haviam dito que contestariam os votos eleitorais de um punhado de estados retiraram seu apoio a esse esforço. Os senadores Ted Cruz (Republicano-Texas) e Josh Hawley (Republicano-Montana), líderes dos rebeldes do senado, tuitaram condenações da ação da turba violenta.

 Entre os líderes empresariais, a National Association of Manufacturers que representa as principais empresas da Fortune 500 como a Exxon e a Toyota, pediu a destituição do presidente Trump com base na 25ª Emenda, que permite a remoção de um presidente em exercício considerado incapaz de executar as funções do cargo. Nenhuma parcela significativa da classe dominante apoiou a violenta invasão do Capitólio.

 Mas, não estou dizendo que a ação da multidão invasora não foi extremamente séria, perigosa e sem precedentes. Em Washington D.C., e em capitais estaduais de todo o país, milhares de direitistas se manifestaram para se opor ao que é chamado de processo e instituições democráticas. Na Capital do país, centenas de pessoas mostraram-se dispostas a confrontar fisicamente os policiais, infringindo abertamente a lei, correndo o risco de prisão e até de morte para promover sua agenda, concretizar suas intenções.

 E é importante notar que, enquanto sete dos 13 senadores dos EUA abandonaram seu desafio aos votos eleitorais de alguns estados, seis mantiveram sua oposição. Isso não significa apenas que eles estavam favorecendo uma base reacionária de eleitores. Isso também significa que eles não estavam preocupados em perder o apoio financeiro dos interesses corporativos que os financiam em grande parte, o que significa que há setores da classe dominante que, embora não necessariamente apoiassem as ações da máfia invasora, ainda continuaram a apoiar o que era essencialmente a versão legal da tentativa da multidão de derrubar a eleição presidencial.

 Desta vez, polícia, guarda nacional e militares se opuseram à ação. Não podemos presumir que  sempre ocorrerá isso.

 O que deveria nos preocupar mais é que agora sabemos – se precisávamos de mais provas depois de Charlottesville – que há um movimento fascista crescente neste país que se opõe violentamente a tudo que um movimento progressista representa. Esse movimento fascista tentou se consolidar no comício “Unite the Right” (Unir a Direita) de agosto de 2017, mas sofreu um grande revés quando anti-racistas, principalmente jovens, saíram para se opor a ele. Essa contra-mobilização foi crítica, uma vez que a polícia local, municipal e estadual e a Guarda Nacional da Virgínia tinham ordens de se retirar (obrigado, governador Terry McAuliffe.) E, ao contrário dos protestos do Black Lives Matter neste verão, era correto para a juventude branca assumir a liderança no combate aos fascistas. (Os Defensores estão orgulhosos de ter estado no meio desses confrontos.)

 Mas esse movimento de direita desde então se recuperou, cresceu e se expandiu para além das organizações abertamente fascistas para incluir milhares de indivíduos em grande parte não afiliados, eufemisticamente chamados de “apoiadores de Trump”. Esses homens predominantemente brancos podem ter algumas queixas legítimas contra as políticas anti-neoliberalismo da classe trabalhadora do Partido Democrata, mas eles são levados à violência principalmente por sua própria hostilidade de supremacia branca à comunidade negra, imigrantes, pessoas LGBTQ, mulheres e os Esquerda. Eles estão aqui, estão crescendo em número e a polícia nem sempre estará disposta – ou inclinada – a impedi-los de atacar seus alvos.

 Em resposta aos eventos do dia 6 de janeiro, houve muitos comentários nas redes sociais, sugerindo que este foi um confronto entre civis reacionários e policiais reacionários e sem grande preocupação para a comunidade negra. Esta é uma conclusão perigosa de se chegar.

 A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha é associada costumeiramente ao Holocausto, que tirou a vida de seis milhões de judeus – um terço dos judeus europeus. Mas os judeus não foram os únicos alvos dos nazistas, nem foram os primeiros. O primeiro alvo era o Partido Comunista Alemão, que na época era o maior partido comunista do mundo, fora da União Soviética, fato que aterrorizava a classe dominante.

 Dei-me conta dessas verdades de maneira muito gráfica alguns anos atrás, quando minha esposa, Ana Edwards, e eu visitamos o Memorial e Museu Auschwitz-Birkenau, administrado pelo governo, na Polônia. Mesmo sob o regime populista reacionário do Partido da Justiça e da Justiça federal, as placas e sinalizações deixavam claro que os comunistas foram os primeiros a ser presos, encarcerados em campos de concentração como Auschwitz e torturados, trabalharam até a morte ou simplesmente assassinados. Os judeus que pensavam que a repressão permaneceria meramente política seriam tragicamente corrigidos.

 De forma semelhante, os fascistas que se reuniram em Charlottesville em 2017 alegaram que estavam defendendo o “Patrimônio do Sul” e se opondo aos antifascistas. Mas quando a manifestação foi finalmente encerrada pelos policiais (o plano de McAuliffe evidentemente era deixar as coisas sairem do controle para que a manifestação pudesse ser suprimida sem que a cidade ou estado fosse processado pelos fundamentos da Primeira Emenda), eles se reagruparam para marchar sobre um Conjunto Habitacional para  pretos. Ouvindo os relatos desses planos, anti-racistas, incluindo os Defensores, se mobilizaram para bloqueá-los. Isso é o que Heather Heyer estava fazendo naquele cruzamento quando foi fatalmente atropelada por um carro dirigido por um dos fascistas. Ela morreu defendendo a comunidade negra, fato que nunca recebeu o devido reconhecimento.

 Em suma, embora seu inimigo declarado possam ser os antifascistas, anarquistas e comunistas, os fascistas de hoje são fundamentalmente supremacistas brancos com muito medo de serem “substituídos” pelas mudanças demográficas projetadas para tornar os Estados Unidos um país de maioria negra por volta de 2040.

 Então, que conclusões podemos tirar de tudo isso? Quais são as consequências práticas? Porque não é suficiente apenas analisar a situação – precisamos decidir o que fazer.

 Os tempos de hoje clamam por uma esquerda organizada que levante muitas questões e seja  anti-imperialista para  que possa desenvolver e promover um programa para unir todos os trabalhadores e comunidades de diferente etnias, um programa que enfatize a solidariedade de classe enquanto promove o direito à autodeterminação de todos os povos oprimidos. E esse movimento deve ter a capacidade de se defender fisicamente das ameaças dos fascistas. Lamentavelmente, até agora, o nosso lado tem sido lamentavelmente inadequado nesse aspecto.

 Não falta coragem ao nosso pessoal. Faltam-nos números, organização, recursos e um programa unificado. Durante  décadas adotamos e elevamos a tática da não-violência ao nível de um princípio moral imperioso. Isso, efetivamente, desarmou grandes setores do movimento progressista a ponto de alguns ativistas acreditarem que defender a si mesmos e a suas comunidades significa “afundar-se ao nível” da direita. Anos promovendo a ideia de que os democratas poderiam ser um baluarte contra a direita enfraqueceram o entendimento de que a verdadeira defesa nossa só pode vir de um movimento independente. E a ascensão do complexo sem fins lucrativos, com sua dependência de financiadores liberais ligados aos democratas, contribuiu para o fim da consciência anti-guerra e anti-imperialista que era uma marca dos movimentos militantes raciais independentes, multifacetados que lideraram as lutas históricas das décadas de 1930 e 1960.

 Portanto, ao examinarmos os eventos de 6 de janeiro, não devemos tirar a conclusão de que estamos à beira de uma vitória fascista. Mas também não devemos ignorar a ameaça real e crescente de um movimento fascista genuíno.

Muito dependerá do surgimento de um líder carismático que possa realmente unir a direita. Esse poderia ser Trump, se ele decidir seguir esse caminho em vez de apenas voltar a ser um empresário corrupto e venal. Pessoalmente, acho que o discurso movido pelo medo de uma acusação, que ele fez em 7 de janeiro, condenando sua multidão leal por “se infiltrar” no Capitólio provavelmente acabou com suas chances de se tornar o Fuhrer americano.

 De qualquer forma, mais dependerá de uma seção significativa da classe dominante decidir que uma força paramilitar extra-legal é necessária para suprimir uma rebelião negra ou geral da classe trabalhadora ameaçadoras. Alguns dependerão dessas seções dispostas a financiar tal movimento. Foi assim que organizações fascistas surgiram na Ucrânia antes, durante e depois do golpe de direita, apoiado pelos EUA em 2014, que supostamente defendia a democracia, mas resultou em um governo mais que autoritário. (https://odessasolidaritycampaign.org).

Mas, quer isso se desenvolva ou não, o que está claro é que a esquerda precisa ampliar muito sua influência, bem como sua capacidade prática de se defender, defeder seus eventos e suas organizações e a comunidade em geral dos lutadores de rua de direita que agora não podemos negar que existem.

 Ignorar essa ameaça é contribuir para nossa própria derrota.

 Phil Wilayto é co-fundador da Virginia Defenders for Freedom, Justice & Equality, editor do jornal The Virginia Defender e coordenador da campanha antifascista Odessa Solidarity Campaign. Ele pode ser contatado em virginiadefendernews@gmail.com.

 Tradução: Humberto Carvalho

Sob os escombros, as digitais de um responsável

O internacionalistas.org  agradece a gentileza do prof. José Luís Fiori em autorizar a publicação deste artigo, como também agradece, penhoradamente, as intervenções dos professores Mauro Luis Iasi e Maria Mello de Malta.

Por José Luís Fiori(Professor titular do Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional (IE/UFRJ), e do Programa de Pós-Graduação em Bioética e Ética Aplicada (PPGBIOS/UFRJ), Coordenador do GP do CNPQ, “Poder Global e Geopolítica do Capitalismo”, e do Laboratório de “Ética e Poder Global”, do NUBEIA/ UFRJ; pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis,  INEEP).

“Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do país e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?”

Gal Eduardo Villas Boas, in Animus, Consultor Jurídico 11/11/2018 [1]

A soma dos fatos e dos números não deixa lugar a dúvidas que a resposta do governo brasileiro à pandemia do coronavírus foi absolutamente desastrosa, quando não criminosa; e seu plano de vacinação massiva da população é um caos, quando não um engodo. Já são 7,5 milhões de brasileiros infectados e cerca de 200 mil morreram até agora, e as autoridades seguem batendo cabeça diariamente, como se fossem um bando de palhaços irresponsáveis e debochados. E apesar de tudo isso, o general Eduardo Pazuello segue ministro da Saúde, sem entender de pandemias, nem de planejamento, nem de logística. Simplesmente porque ele é apenas mais uma nulidade de um governo que não existe, que não tem nenhum objetivo nem estratégia, e que não é capaz de formular políticas públicas que tenham início, meio e fim.

Por isso, o fracasso frente à pandemia se repete monotonamente em todos os planos e áreas de ação de um governo que se contenta em assistir, com ar de galhofa, à desintegração física e moral da sociedade brasileira, enquanto estimula a divisão, o ódio e a violência entre os próprios cidadãos. É o mesmo descaso e omissão com a vida que este governo vem mantendo frente ao avanço da devastação ecológica da Floresta Amazônica, da Região do Cerrado e do Pantanal, com números que vêm provocando um levante mundial contra o Brasil.

Basta olhar os números para dimensionar o tamanho do desastre, começando pela economia, que já estava estagnada desde antes da pandemia. A previsão do PIB brasileiro para ao ano de 2020 é de uma queda de cerca de 5%, embora o PIB brasileiro já viesse caindo em 2018 e em 2019, quando cresceu apenas 1,1%. Mas o que é mais importante, a taxa de investimento da economia, que foi de 20,9% em 2013, caiu para 15,4% em 2019 e deve cair muito mais no ano de 2020, segundo todas previsões das principais agências financeiras nacionais e internacionais. Para piorar o quadro de desmonte, a saída de capitais do país, que havia sido de R$ 44,9 bilhões em 2019 – a maior desde 2006 –, quase dobrou em 2020, passando para R$ 87,5 bilhões de reais e sinalizando uma desconfiança e aversão crescente dos investidores internacionais com relação ao governo do senhor Bolsonaro e seu ministro Paulo Guedes, apesar de suas festejadas reformas trabalhista e previdenciária.

Por isso mesmo, em 2019 o Brasil foi simplesmente excluído do Índice Global de Confiança para Investimento Estrangeiro publicado pela A. T. Kearney, consultoria norte-americana que traz o nome dos 25 países mais atraentes do mundo para os investidores estrangeiros, o mesmo índice segundo o qual o Brasil ocupava a 3ª posição nos anos 2012/2013. Paralelamente, a participação da indústria no PIB nacional, que era de 17,8% em 2004, caiu para 11% em 2019, e deve cair ainda mais em 2020/2021; e o desemprego, que era de 4,7% em 2014, subiu para 14,3% em 2020, e deve seguir subindo no próximo ano.

A indústria brasileira está enfrentando escassez de matéria-prima e, segundo o DIEESE, o país já acumula, em 2020, uma taxa de inflação de 12,14% no preço dos alimentos que afetam mais diretamente o consumo das famílias mais pobres. De outro ângulo, os especialistas estão prevendo um apagão elétrico para o ano de 2021, como já aconteceu no estado do Amapá. E agora, no final de 2020, o Brasil está com déficit energético e importa energia do Uruguai e da Argentina, o que explica a Bandeira Vermelha 2 que começará a pesar no bolso dos consumidores em 2021. Ainda com relação ao estado da infraestrutura do país, a Confederação Nacional dos Transportes vem advertindo que o estado geral das rodovias brasileiras piorou em 2019, e 59% da malha rodoviária pavimentada apresentam hoje sérios problemas de manutenção e circulação. Por fim, como consequência inevitável dessa destruição física, a economia brasileira sofreu uma das maiores reversões de sua história moderna, deixando de ser a 6ª ou 7ª maior do mundo, na década de 2010, para passar ser a 12ª em 2020, devendo cair ainda mais, para o 13º lugar, em 2021, segundo previsão do Centre for Economics and Business Research publicada pelo jornal The Straits Times, de Singapura.

As consequências sociais desta destruição econômica eram previsíveis e inevitáveis: mesmo antes da pandemia, em 2019, 170 mil brasileiros voltaram para o estado de pobreza extrema, onde já viviam aproximadamente 13,8 milhões, número que deverá crescer exponencialmente depois que terminar o “auxílio emergencial”, aumentando ainda mais a taxa de desemprego em 2021. A nova realidade criada pelo fanatismo ultraliberal do senhor Guedes já apareceu imediatamente retratada no novo ranking mundial das Nações Unidas, o IDH, que mede a “qualidade de vida” das populações, no qual o Brasil caiu cinco posições, passando de 79º para 84º lugar entre 2018 e 2020. No mesmo período, o Brasil passou a ser o país com a segunda maior concentração de renda do mundo, atrás apenas do Qatar, e o oitavo mais desigual do mundo, atrás apenas de sete países africanos.

Por fim, é impossível completar este balanço dos escombros deste governo sem falar da destruição da imagem internacional do Brasil, conduzida de forma explícita e aleivosa pelo palerma bíblico e delirante que ocupa a chancelaria. Aquele mesmo que comandou a tragicômica “invasão humanitária” da Venezuela em 2019, à frente do seu fracassado Grupo de Lima; o mesmo que fracassou na sua tentativa de imitar os Estados Unidos e promover uma mudança de governo e de regime na Bolívia, através de um golpe de Estado; o mesmo que já comprou briga com pelo menos 11 países da comunidade internacional que eram antigos parceiros do Brasil; o mesmo que se lançou numa guerra beatífica contra a China, o maior parceiro econômico internacional do Brasil; o mesmo que conseguiu derrotar, em poucas semanas, duas candidaturas brasileiras em organismos internacionais; o mesmo que conseguiu que o Brasil fosse excluído da Conferência Internacional sobre o Clima realizada pela ONU em dezembro de 2020; e por fim, o mesmo que celebrou com seus subordinados do Itamaraty, o fato de o Brasil ter sido transformado, na sua gestão, num “pária internacional”. Algo verdadeiramente sem precedentes e que dispensa qualquer tipo de comentário adicional vindo da parte de um rapagão deslumbrado que foi nomeado praticamente por John Bolton e Mike Pompeo, a dupla de “falcões” que comandou durante alguns meses, em conjunto, a política externa do governo de Donald Trump.

Ao final do segundo ano deste governo, compreende-se imediatamente por que a maioria dos que participaram do golpe de Estado de 2016, e que depois apoiaram o governo do senhor Bolsonaro, estejam abandonando o barco e passando para a oposição. Os jovens “cruzados curitibanos”, tendo cumprido a missão que lhes foi encomendada e depois dos seus cinco minutos de celebridade, estão fugindo ou voltando para o seu anonimato, enquanto afundam na lama da sua própria corrupção. A grande imprensa conservadora mudou e hoje dedica-se a atacar o governo diariamente, enquanto os partidos tradicionais de centro e centro-direita, que estiveram juntos com o senhor Bolsonaro desde o golpe de 2016, agora se afastam e tentam construir um bloco parlamentar de oposição. E até mesmo o “mercado” parece cada vez mais insatisfeito com o seu ministro da Economia, que já foi comemorado em outros tempos como a Joana d’Arc da revolução ultraliberal no Brasil. Assim, neste momento o governo só conta com o apoio político do submundo fisiológico do Congresso Nacional, que a imprensa chama delicadamente de “centrão”, o mesmo mundo em que o senhor Bolsonaro vegetou durante 28 anos no mais absoluto anonimato, em nove partidos diferentes. Esse grupo parlamentar sempre esteve e estará pendurado em qualquer governo que lhe ofereça vantagens, mas nunca teve nem terá capacidade autônoma de constituir ou sustentar um governo por sua própria conta. Por isso, depois de dois anos dessa desgraceira, existe uma pergunta que não quer calar: como se sustenta, afinal, este governo mambembe, apesar da destruição que vai deixando pelo caminho?

Já foi mais difícil, mas hoje a resposta está absolutamente clara, porque na medida em que os demais sócios relevantes foram se afastando, o que sobrou de fato foi um simulacro de governo militar, absolutamente mambembe. Basta olhar para os números, uma vez que todos sabem que o próprio presidente e seu vice são militares, um capitão e o outro general da reserva. Mas além deles, 11 dos atuais 23 ministros do governo também são militares, e o próprio ministro da Saúde é uma general da ativa, todos à frente de um verdadeiro exército composto por 6.157 oficiais da ativa e da reserva que ocupam postos-chave em vários níveis do governo. Segundo dados extraoficiais, são 4.450 do Exército, 3.920 da Aeronáutica e 76 da Marinha, número que talvez seja até maior do que o dos militantes oficiais do PSDB e do PT que ocuparam postos governamentais durante seus governos em décadas passadas.

Por isso, depois de dois anos fica difícil tapar o céu com a peneira e tentar separar as FFAA do senhor Bolsonaro, não apenas pela extensão e pelo grau de envolvimento pessoal dos militares instalados dentro do Palácio da Alvorada, mas também pelo nível e intensidade dos contatos e reuniões regulares mantidas durante estes dois anos entre generais e oficiais da reserva e da ativa, dentro e fora do governo, sobretudo entre os altos escalões das duas instituições. Depois de tudo isso, seria como querer separar dois ovos de uma mesma gemada.

Isto posto, o fracasso deste governo deverá atingir pesadamente o prestígio e a credibilidade das FFAA brasileiras, colocando uma pá de cal sobre o mito da superioridade técnica e moral dos militares com relação ao comum dos mortais. Agora está ficando absolutamente claro, e de uma vez por todas, que os militares não foram treinados para governar. Uma coisa são seus manuais de geopolítica e exercícios de ginástica e de guerra, outra coisa inteiramente diferente são os conhecimentos e a experiência acumulada indispensável para a formulação de qualquer tipo de política pública, ainda mais para se propor a governar um país com o tamanho e a complexidade do Brasil.

Além disso, também ficou claro na história recente que a presunção da superioridade moral dos militares é apenas um mito, porque os militares são tão humanos e corruptíveis quanto todos os demais homo sapiens. Basta lembrar o episódio recente da solicitação irregular, por parte de centenas de militares, da “ajuda emergencial” destinada às pessoas mais pobres, na primeira fase da pandemia no Brasil. Estima-se que foram mais de 50 mil casos de irregularidades denunciadas pelo Tribunal de Contas da União e que tiveram que devolver o auxílio aos cofres públicos. Mas mesmo depois da devolução dos valores adquiridos irregularmente, o que esse episódio ensina é que não existe nenhuma razão para acreditar que os soldados estejam acima de qualquer suspeita e que sejam inteiramente infensos às “tentações mundanas”.

Aliás, não existe caso mais exemplar do fracasso desta crença na superioridade do juízo militar do que o que se passou com o próprio ex-Comandante em Chefe das Forças Armadas brasileiras que, autoconvencido de sua “genialidade estratégica” e de sua grande “sabedoria moral”, decidiu avalizar em nome das FFFA, e tutelar pessoalmente a operação que levou à presidência do país um psicopata agressivo, tosco e desprezível, cercado por um bando de patifes sem nenhum princípio moral, e de verdadeiros bufões ideológicos, que em conjunto fazem de conta que governam Brasil, há dois anos. Que sirva de exemplo para que não se repitam estas pessoas que se consideram superiores e iluminadas, com direito a decidir em nome da sociedade, usem farda, toga, batina ou pijama.

No século XX, os militares deram uma contribuição importante para a industrialização da economia brasileira, mas também contribuíram de forma decisiva para a construção de uma sociedade extremamente desigual, violenta e autoritária. E castraram toda uma geração progressista que poderia ter contribuído para o avanço do sistema democrático instalado em 1946. Assim mesmo, agora no século XXI, a nova geração de militares, bastante mais medíocre, está se dedicando a destruir o que de melhor haviam feito no século passado.

No século XX, os militares deram uma contribuição importante para a industrialização da economia brasileira, mas também contribuíram de forma decisiva para a construção de uma sociedade extremamente desigual, violenta e autoritária. E castraram toda uma geração progressista que poderia ter contribuído para o avanço do sistema democrático instalado em 1946. Assim mesmo, agora no século XXI, a nova geração de militares, bastante mais medíocre, está se dedicando a destruir o que de melhor haviam feito no século passado.

Por tudo e com tudo, parece que está chegando a hora de a sociedade brasileira se desfazer desses “mitos salvadores” e devolver seus militares a seus quartéis e suas funções constitucionais. Assumir de uma vez por todas, com coragem e com suas próprias mãos, a responsabilidade de construir um novo país que tenha a sua cara, e que seja feito à sua imagem e semelhança, com seus grandes defeitos, mas também com suas grandes virtudes. Que seja um país altivo e soberano, mais justo e menos violento, que respeite as diferenças e todas as crenças, e que volte a ser mais humano, mais fraterno e mais divertido. E que o Brasil volte a ser aceito, admirado e respeitado pelo resto do mundo. Estes pelo menos são meus votos para o ano de 2021.

31 de dezembro de 2020

Em homenagem ao meu grande amigo Luiz Alberto Gomes de Souza, que faleceu no dia 30 de dezembro de 2020, e que foi um grande guerreiro na luta contra a ditadura militar e contra desigualdade a a injustiça da sociedade brasileira.

[1] Declaração do Gal Eduardo Villas Boas, feita no dia 3 de abril de 2018, véspera do julgamento do pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foi lida na época como uma pressão explícita do ex-Comandante em Chefe das FFAA sobre o STF, a favor da condenação do ex-presidente e pela sua exclusão da disputa presidencial de 2018.

A FEDERAÇÃO SINDICAL MUNDIAL (FSM) LANÇA CAMPANHA PELA LIBERTAÇÃO DE CRIANÇAS PALESTINAS DETIDAS EM PRISÕES DO GOVERNO DE ISRAEL

Com mais de 100 milhões de sindicalistas em todo o mundo, a Federação Mundial de Sindicatos está comprometida com a paz. Em 1º  de janeiro de 2021, lançou uma campanha internacional pela libertação, em especial, de 155 crianças palestinas aprisionadas pelo governo israelense.

A FSM pede, também, a libertação de 4.500 prisioneiros politicos palestinos, entre esses, estão mulheres, pessoas de idade avançada, bem como pessoas doentes.

Em 6 de janeiro, a FSM enviou um memorando ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha na Palestina, pedindo a libertaçao imediata dos prisioneiros palestinos, especialmente crianças, pedindo sua libertação imediata e proteção de seus direitos. Foram realizadas manifestações de solidariedade em três cidades na Palestina e no Líbano em frente aos escritórios da Cruz Vermelha.

 A FSM apela a todos os sindicatos ativistas, membros e amigos da FSM em todo o mundo, para organizar manifestações em janeiro de 2021, em frente aos escritórios da Cruz Vermelha de seus respectivos países, para enviar memorandos à Cruz Vermelha de apoio à campanha. Pede, ainda, que footografem seus eventos e depois enviem essas fotos para os escritórios centrais da FSM.

 Vamos unir nossos esforços e nossas vozes para defender a liberdade e os direitos das crianças palestinas, para defender os interesses do povo palestino, dos trabalhadores de todos os países, contra qualquer injustiça e ação criminosa contra os trabalhadores e suas famílias.

 Que ninguém fique sozinho nas suas lutas!
 

 VOCÊ PODE MANDAR SEU APOIO A ESSA CAMPANHA ATRAVÉS DOS COMENTÁRIOS, PARA NOSSO BLOG, QUE O REMETEREMOS PARA A FSM.