News from Donbass

By Andrey  VladmirovichKochetov
Lugansk People’s Republic
September 21/2021

Since 2014, war is in the south-east of Ukraine. The two regions did not make changes that the armed coup in Ukraine brought to Ukraine. In May 2014, Donbass residents held a referendum, which was delivered only one question: Do you support the act of state independence of Donetsk / Lugansk national republics? More than 89% of the inhabitants responded positively. In response, the Government of Ukraine applied against the republics of Donbass, contrary to the current constitution, armed forces. But this to the government of Ukraine seemed little. All types of blockades were applied against the residents of Donbass: economic, political, information, humanitarian. In this regard, the President of the Russian Federation Vladimir Putin has signed a decree on the simplification of citizenship by residents of the republics of the Donbass. Since then, more than 700 thousand residents of Donbass have become citizens of the Russian Federation.

On September 19, 2021, a landmark event occurred in the life of the republics of Donbass. This is the opportunity to realize your civil law – to participate in the elections to the State Duma of the Russian Federation. As it does not seem strange, today no one in the media of countries of the West does not discuss that for the Donbass this is the first Russian elections. For warring now, seven years, the republics are not just a loud event, but without exaggeration historical. And it may not even be two (as in Russia), and in three ways: electronic voting at home, distance voting in information centers deployed in all areas of Donbass (as a rule, in schools with computer classes), and finally Everyone has the opportunity to rent free of charge in Rostov. Donetsk authorities organized a comfortable transfer, allocated buses and trains for these purposes.

Since the citizens of the DPR and LNR began to receive passports of the Russian Federation, we have no little about 700 thousand new voters. Even on the scale of a huge country, the digit is impressive, just so will not be afraid. Residents of Donbass became not only the heroes of news and front-line reports, but also full participants in Russian internal political processes.

From objects of domestic policies, they have become subjects – and the transition from one state to another in their case is truly fundamental. Yes, with the recognition of Independence of the DPR and LNR everything is difficult. Even more difficult is the question of the entry of the republics in the Russian Federation. But if you think about, for the self-consciousness of Donbass, this is no longer so paramount as before. Everyone is perfectly understood that these nuances refer to the areas of diplomatic games. Because in reality, the people of Donbass (and participation in elections in the State Duma – an irrefutable proof of this) – already an integral part of Russia. Finally and irrevocable. And any internal political discourse without taking into account their interests is now impossible.

Notícias de Donbass

Por Andrey Vladmirovich Kochetov
República Popular de Lugansk  21/09/21
Tradução: Humberto Carvalho

Desde 2014,o sudeste da Ucrânia está em guerra. As duas regiões, a República Popular de Donestk e a Republica Popular de  Lugansk, não aceitaram  as mudanças que o golpe armado na Ucrânia trouxe para os ucranianos. Em maio de 2014, os residentes de Donbass realizaram um referendo, ao qual foi entregue apenas uma pergunta: Você apóia o ato de independência do estado das repúblicas nacionais de Donetsk / Lugansk? Mais de 89% dos habitantes responderam positivamente. Em resposta, o governo da Ucrânia aplicou contra as repúblicas de Donbass, ao contrário da atual constituição, as forças armadas. Mas isso para o governo da Ucrânia parecia pouco. Todos os tipos de bloqueios foram aplicados contra os residentes de Donbass: econômicos, políticos, de informação, humanitários. A este respeito, o presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, assinou um decreto sobre a simplificação da cidadania para os residentes das repúblicas do Donbass. Desde então, mais de 700 mil residentes de Donbass tornaram-se cidadãos da Federação Russa.

Em 19 de setembro de 2021, um evento marcante ocorreu na vida das repúblicas do Donbass. Este foi a oportunidade de realizar o seu direito civil – de participar nas eleições para a Duma Estatal da Federação Russa. Como não parece estranho, hoje ninguém na mídia dos países do Ocidente não discute que para o Donbass estas são as primeiras eleições russas. Por guerrear agora, há sete anos, as repúblicas não são apenas um acontecimento barulhento, mas sem exageros,  são marcos históricos. E pode-se votar (como na Rússia)de três maneiras: votação eletrônica em casa, votação à distância em centros de informação implantados em todas as áreas do Donbass (via de regra, em escolas com aulas de informática), onde todos têm a oportunidade de usar os equipamentos  gratuitamente em Rostov. As autoridades de Donetsk organizaram um confortável transporte  de pessoas, alocando ônibus e trens para esses fins.

Desde que os cidadãos da República Popular de Donestk e da República Popular de Lugansk começaram a receber passaportes da Federação Russa, temos cerca de 700 mil novos eleitores. Mesmo na escala de um país enorme, o dígito é impressionante. Os residentes do Donbass tornaram-se não apenas os heróis das notícias e reportagens da linha de frente, mas também participantes plenos nos processos políticos internos russos.

De objetos de política interna, eles se tornaram sujeitos – e a passagem de um estado a outro, no caso deles, é verdadeiramente fundamental. Sim, com o reconhecimento da Independência da RPD e da RPL tudo ficou difícil. Mas, ainda mais difícil é a questão da entrada das repúblicas na Federação Russa. Mas se você pensar, para a autoconsciência do Donbass, isso não é mais tão importante como antes. Todos sabem perfeitamente que essas nuances se referem às áreas dos jogos diplomáticos. Porque, na realidade, o povo de Donbass (e a participação nas eleições na Duma Estatal é uma prova irrefutável disso) – já é parte integrante da Rússia, finalmente e de forma irrevogável. E qualquer discurso político interno sem levar em conta seus interesses agora é impossível.

FEDERAL ELECTIONS IN GERMANY ARE MAKING AN HISTORIC TURNING POINT

ByHeinrich Buecker   –  September 27/2021
Founder of the Anti-War-Café Berlin, chapter of World Beyond War
Member of the German Peace Council
Member of the party DIE LINKE
Member of Frente Unido America Latina

The federal elections in Germany are marking a historic turning point. With heavy losses of the CDU, the Christian Democratsandthe Social Democrats the era of popular parties in Germany has come to an end.

The Liberal Party (FDP) and the Greens will in all probability bein volved in the next german government. It is currently unclear whether the Christian Democrats or the Social Democrats will provide the german chancellor, the German equivalent of a prime minister.

The new german government – regardless of whether it is led by the Christian Democrats and the Social Democrats   – will, by and large, continue the previous policy. Inequality will continue to grow as both CDU and the liberals (FDP) demand relief for high incomes.

Strong resistance from the SPD and the Greensis hardly to be expected. Since the Liberals (FDP) are needed to form a government, there will be no property or inheritance tax worthy of the name.

There will also be no approval of Russian, Chinese and Cuban vaccines or medicines in the fight against Covid-19. Instead very few western pharmaceutical companies and the lobbyists will be able to control the market.

In foreign policy all parties except DIE LINKE stand for further armament, the NATO and exceptthe AFD war missions by the german military a broad. None of the possible government parties want to counter act the aggressive US policy ofen circling Russia and China, which end angers the security of Germany.

The politics of the Nobel Peace Prizelaureate Willy Brandt for détente and disarmament will continue to be replaced by a foreign policy that end angers peace.

The LEFT experienced a debacle, most probably be cause top party leader shadoffered themselves day after day as junior partners to a “red-green-red” government over the past few weeks. On a nation wide average, theLeftParty fell from 9.2 percent in 2017 to just 4.9 percent.

Now it has become clear that the party wasable win three direct mandates, which saves the faction status of DIE LINKE in parliament, where theycan nowcounton 33 seats, although theyfailed to reach 5%. With the LINKE (Left) there is at least one party left in parliament that raises its voice against further social cuts and war.

As a consequence, DIE LINKE must make it now absolutely clear, that it will make no any concessions on its principles of peace policy – no military operations by the german military, no arms exports, an end to the drone murders from German soil, no armed combat drones to lead of wars contrary to international law.

Some within the party call to replace NATO with a security alliance includingRussia, which is a demand of the SPD in Willy Brandt’s time. Others call for a full rejection of NATO.

The fact that the Social Democrats and the Greens saw all this as an obstacle to forming a government with DIE LINKE is proof for their commit ment to interventionism. But without a commitment by the SPD and the Greens to international law, cooperation in a federal government should be absolutely unreasonable for DIE LINKE. All parties that support war missions contrary to international law, must be rejected out right.

Workers and pensionersa like will be made to pay again by whatever government comes into power. Instead of the “shift to the left” that the neoliberal media were warning about, there is now the danger of a clear “shift to the right” in foreign, social and tax policy.

The former DIE LINKE leader Sahra Wagenknecht did criticize the course of her party after the election fiasco. She claimed, that for several years, “rather poor election results” have been achieved. “And I think that has something to do with the fact that the left has moved further and further away in recent years from what it was actually founded for, namely to represent the interests of normal worker sand pensioners. She demanded that “mistakes should now be openly admitted and discussed”.

Out of about 60 million eligible voters, 76% actually participated in the elections. The German CommunistParty (DKP) received about 15.000 votes and the DIE LINKE about 2.300.000 votes.

Small parties might have added to the anti-left trend in these elections. The political party Die Basis, which represents corona-sceptics i.e. received 628.432 votes or 1.4%.
The hefty losses of the Christian Democrats were also partly the result of Angela Merkel leaving her post after 16 years and very controversial discussions about who would follow her. Many did not like the chosen leading candidate ArminLaschet.

AS ELEIÇÕES FEDERAIS NA ALEMANHA ESTÃO FAZENDO UMA VIRADA HISTÓRICA

Por Heinrich Buecker – 27/09/21
Fundador do Café Berlin Anti-guerra
Membro do Conselho Alemão pela Paz
Membro do partido Die Linke
Membro do Frente Unido America Latina
Tradução: Humberto Carvalho

As eleições federais na Alemanha estão marcando uma virada histórica. Com pesadas perdas do CDU, dos democratas-cristãos e dos social-democratas, a era desses partidos na Alemanha chegou ao fim.

O Partido Liberal (FDP) e os Verdes estarão muito provavelmente envolvidos no próximo governo alemão. Atualmente não está claro se os democratas-cristãos ou os social-democratas fornecerão o chanceler alemão, o equivalente alemão a um primeiro-ministro.

O novo governo alemão – independentemente de ser liderado pelos democratas-cristãos e pelos sociais-democratas – continuará, em geral, com a política anterior. A desigualdade continuará a crescer à medida que tanto a CDU quanto os liberais (FDP) exigem alívio para altas rendas.

Uma forte resistência do SPD e dos verdes dificilmente é esperada. Uma vez que os liberais (FDP) são necessários para formar um governo, não haverá imposto sobre propriedades, ou herança, digno desse nome.

Também não haverá aprovação de vacinas ou medicamentos russos, chineses ou cubanos na luta contra a Covid-19. Em vez disso, poucas empresas farmacêuticas ocidentais e lobistas vão controlar esse mercado.

Na política externa, todas as partes, exceto DIE LINKE, representam mais armamento, a permanência na OTAN e, exceto as AFD, as missões de guerra dos militares alemães no exterior. Nenhum dos possíveis partidos do governo quer neutralizar a política agressiva dos EUA de cercar a Rússia e a China, que põe em risco a segurança da Alemanha.

A política do ganhador do Prêmio Nobel da Paz Willy Brandt por détente e desarmamento continuará a ser substituída por uma política externa que põe a paz em risco.

A esquerda passou por um desastre, provavelmente porque os principais líderes do partido se ofereceram dia após dia como parceiros menores de um governo “vermelho-verde-vermelho” nas últimas semanas. Em uma média nacional, o Partido de Esquerda caiu de 9,2% em 2017 para apenas 4,9%.

Agora ficou claro que o partido conseguiu conquistar três mandatos diretos, o que salva o status de facção do DIE LINKE no parlamento, onde agora pode contar com 33 cadeiras, embora não tenha chegado a 5%. Com o LINKE (esquerda), há pelo menos um partido no parlamento que levanta sua voz contra novos cortes sociais e contra a guerra.

Como consequência, o DIE LINKE deve deixar agora absolutamente claro que não fará nenhuma concessão aos seus princípios de política de paz – nenhuma operação militar dos militares alemães, nenhuma exportação de armas, o fim dos assassinatos por drones em solo alemão, dizer não  aos drones de combate, armados para liderar guerras ao arrepiodo direito internacional.

Alguns dentro do partido pedem a substituição da OTAN por uma aliança de segurança incluindo a Rússia, o que foi uma exigência do SPD na época de Willy Brandt. Outros pedem uma rejeição total da OTAN.

O fato de os sociais-democratas e os verdes considerarem tudo isso um obstáculo à formação de um governo com o DIE LINKE é a prova de seu compromisso com o intervencionismo. Mas sem um compromisso do SPD e dos Verdes com o direito internacional, a cooperação em um governo federal é absolutamente irracional para o Die Linke. Todas as partes que apóiam missões de guerra contrárias ao direito internacional devem ser rejeitadas imediatamente.

Tanto os trabalhadores quanto os aposentados terão que pagar novamente por qualquer governo que chegue ao poder. Em vez da “virada para a esquerda” sobre a qual a mídia neoliberal estava alertando, existe agora o perigo de uma clara “virada para a direita” na política externa, social e tributária.

A ex-líder do DIE LINKE, Sahra Wagenknecht, criticou o curso de seu partido após o fiasco eleitoral. Ela afirmou que, por vários anos, “resultados eleitorais bastante ruins” foram alcançados. “E eu acho que tem algo a ver com o fato de que a esquerda se afastou cada vez mais nos últimos anos daquilo para que foi realmente fundada, ou seja, para representar os interesses dos trabalhadores em atividade, bem como dos aposentados. Ela exigiu que” os erros agora deveriam ser abertamente admitidos e discutidos”.

Dos cerca de 60 milhões de eleitores elegíveis, 76% realmente participaram das eleições. O Partido Comunista Alemão (DKP) recebeu cerca de 15.000 votos e o DIE LINKE cerca de 2.300.000 votos.

Pequenos partidos podem ter contribuído para a tendência anti-esquerda nessas eleições. O partido político Die Basis, que representa os céticos da coroa, ou seja, recebeu 628.432 votos ou 1,4%. As pesadas perdas dos democratas-cristãos também foram em parte o resultado de Angela Merkel deixar seu posto após 16 anos e de discussões muito controversas sobre quem a seguiria. Muitos não gostaram do candidato principal escolhido, Armin Laschet

Alienação, Ideologia e o camarada: uma autocrítica

Por Suzi Berni

“I, too, sing America.                                          

                                               I am the darker brother.                                      

                                               They send me to eat in the kitchen

                                               When company comes,

                                               But I laugh,

                                               And eat well,

                                               And grow Strong.

                                               Tomorrow,

                                               I’ll be at the table

                                               When company comes.

                                               Nobody’ll dare

                                               Say to me,

                                               “Eat in the kitchen”,

                                               Then.

                                               Besides,

                                               They’ll see how beautiful I am

                                               And be ashamed –

                                               I, too, am America.”

Lendo o “Camarada” de Jodi Dean, me deparei com uma nota do editor que faz referência à ‘Renascença do Harlem’, que me trouxe à memória meus tempos de professora de inglês no Julinho. Na tentativa de ‘cooptar’ a maior quantidade possível de alunos para dentro da sala de aula, resolvi propor ‘um estudo do rap’. Com este pretexto, e mostrando que a tarefa de compreender suas letras ia muito além do conhecimento que os alunos tinham da língua, levei-os a focar na seguinte pergunta: o que leva um negro estadunidense hoje (1994, vinte e sete anos atrás) a carregar tanta violência, tanto ódio, tanta revolta para sua música? Com isto, propus voltarmos na história e rastrear alguns exemplares de escrita de vários autores que, além de mais simples, indicassem este caminho. Acrescentei ao trabalho que começava com IceT a leitura de dois poemas de Langston Hughes, grande representante da Renascença do Harlem, um dos quais introduz esta reflexão. O poema traz uma linguagem simples e direta, com um ritmo que se move de fraco a forte e a fraco novamente. Mas quando ele volta, o ritmo fraco expressa a força da determinação do narrador de se fazer ver e ouvir.

                E aqui chegamos onde eu queria: como foi possível que eu propusesse estudar o racismo estadunidense e não tivesse alcançado a dimensão real do racismo, tanto lá como aqui? Segui sendo racista sem saber! Todos nós (os alunos e eu) ficamos com muita pena dos negros americanos, mas uma parcela bem recortada de ‘americanos’, só dos estadunidenses. E ficamos muito revoltados com o ‘inimigo branco’, que era, também, ‘americano’. Sentimos vergonha de sermos brancos mas não muita, porque, afinal, eram só os ‘americanos’ os malvados. Por quê?

                Voltemos, então, ao poema, para começar. O que é que Langston Hughes está reivindicando, quando conclui o poema com a afirmação de ser, também, americano? Igualdade? O narrador passa, primeiro, pela humilhação de ser mandado para a cozinha. Foi lá, no lugar subalterno, que ele aprendeu a rir da desgraça e a crescer, aprendeu que precisava ficar forte. Tão forte que ninguém mais ousasse humilhá-lo, pois era e reivindicava ser “o irmão mais escuro”. Mas aí ele esbarra em algo. E com uma única palavra, uma referência ao futuro (Então.) ele transforma e desfigura toda a luta. Deste momento em diante, a luta perdeu o sentido e ele se voltou para dentro: como sou bonito. E, não vendo saída na própria argumentação, se declara: eu também sou a América. A mesma América de meu irmão branco. Hoje, me pergunto qual América? Aquela imperialista, hegemônica, patriarcal, branca?

Minha compreensão de hoje é que Langston Hughes não encontrou o caminho para o sucesso da luta. Ao contrário, assimilou partes da sociedade branca. O inesquecível Louis Armstrong, outro representante do referido renascimento, encontrou o caminho da ‘América’ rica, a ‘América’ que dançava em casa enquanto seu exército matava, torturava, perseguia, explodia prédios e pessoas pelo mundo afora. Com toda sua história, sua carga de opressão, escravização, injustiça e massacres sucessivos, sobrevivendo a organizações como a Ku-Klux-Klan, muitos pensadores e artistas desta época apenas responderam a algo que pairava acima disso tudo, algo que não tinha nome, não tinha rosto, não tinha um defensor declarado.

 Hughes, e Armstrong, e meus alunos e eu demos voz a uma ideologia. Para nós, aqui no Brasil, América se referia aos Estados Unidos da América. Nós éramos apenas ‘latinos’. Meus alunos e eu não havíamos superado o estranhamento produzido pela alienação, que só pode ser superada se superadas as condições que produzem tal estranhamento, resumidamente, o modo de produção capitalista. Vivemos em uma realidade cindida em que as ideias apenas expressam a inversão presente na materialidade que lhes serve de base, como incansavelmente Mauro Iasi afirma. Exatamente por isso, assimilamos e damos voz à ideologia capitalista, este conjunto de representações, de símbolos e significados que evidentemente representam a visão ideal deste mundo e que tem caminho livre para internalização em nossos cérebros desde a formação de nosso superego.

Terry Eagleton didaticamente elencou seis atributos de uma ideologia. Primeiro, há uma identidade unitária para representar um todo, que por isto mesmo será heterogênea e inconsistente, como se verifica ao considerar o último atributo. Depois, terá de ser orientada para a ação e para isto oferecerá motivações, prescrições e metas a serem atingidas. Então, o sujeito ideológico passa pelo processo de racionalização, em que motivações inconscientes e inconfessadas encontram seu modo de expressão. É o terreno ideal do ressentimento e o solo fértil para a proliferação do fascismo. Ainda, é preciso legitimar estas ideias em um ambiente propício para sua anuência tácita. “Estes maloqueiros são um bando de vagabundos que não querem trabalhar.” O quinto atributo é o da universalização da ideologia, em que um interesse se transforma em o interesse, como se não pudesse haver contraponto. “A China vai dominar o mundo. Vai ser o fim da democracia.” Por último, é a sua naturalização, em que a ideologia alcança o senso comum, este mar de incongruências e inconsistências em todos os níveis, do pragmático ao conceitual. “O mundo é assim. Manda quem pode e obedece quem precisa. Pobre vai ser pobre a vida inteira.” É a reificação da vida social, uma segunda natureza da história, aparentemente espontânea, inevitável e inalterável. Soa familiar? Bem, deveria ser, porque anteriormente a Eagleton, Marx já havia desenvolvido a teoria da alienação.

Voltemos pela última vez ao poema: eles sentirão vergonha. Eles, quem? O homem branco que o manda comer na cozinha jamais sentirá vergonha, pena ou arrependimento pela simples razão de que ele não percebe que não é a sua voz que se faz ouvir e sim os interesses do capital. Estamos falando de uma por uma das camadas da ideologia. Estamos falando do mascaramento da luta de classes. O homem que manda o homem comer na cozinha realmente acredita que é superior e que tem direito de comer na sala de jantar e de ser o dono da fábrica onde outros negros trabalham em condições ainda piores do que o ‘escravo de dentro’. Se e quando o homem (e a mulher e os gays e as lésbicas e os e as trans e assexuados e os negros e indígenas e asiáticos e judeus e todos que nascerem, ai, que mar de minorias…) superar o modo de produção capitalista, estará tremendamente ocupado – ao lado do ‘irmão mais escuro’ – construindo uma nova sociedade que produzirá uma nova ideologia e um novo modo de compreender e viver no mundo.

Jodi Dean, no acima citado Camarada, resenha a história e as funções do mesmo, e eu posso me valer de seu trabalho para resgatar as lutas de todos os poetas e saxofonistas (e trompetistas…), dos guerrilheiros e guerreiros, dos Othellos[1] da vida; dos saraus aos Mauros Iasi, que labutaram no passado e no presente por trás e por fora dos véus do senso comum, sua naturalização; desde o processo de racionalização, da legitimação e universalização, para demonstrar que as ideologias podem ser ultrapassadas. Ao ultrapassar a ideologia capitalista é o processo da consciência de classe que pode ter início e a compreensão da luta de classes que se ilumina e que abre o caminho para a luta pela construção do socialismo. E eis que surge a figura do Camarada, figura de pertencimento político, forma de tratamento e o portador de expectativas para a ação. É o sujeito do outro. É aquele que não precisa ser teu amigo e nem mesmo teu conhecido, mas terá de ser alguém que divide uma utopia, que projeta o mesmo ideal transformador. O Camarada pode ser qualquer um, mas nem todo mundo. O espaço ontológico do camarada não é o de “um sujeito fiel, mas uma relação política fiel ao povo dividido como sujeito de uma política igualitária emancipatória”, pois o que hoje liga um camarada a outro é a fidelidade à ideia da construção do socialismo (o eu ideal superado pelo ideal do eu). É, a propósito, o espaço onde a ênfase marxista-leninista da unidade entre teoria e prática encontra seu campo. O indivíduo solitário não pode exercer fidelidade nem à verdade e nem à política, porque o sujeito necessita um corpo. E este é dado pelo Partido.                

Não fosse a matéria bruta do Colégio Estadual Júlio de Castilhos; Langston Hughes, Louis Armstrong, Jodi Dean e tantos outros que fornecem valiosa munição; e Mauro Iasi, ensinando a procurar as determinações do real; o Partido Comunista Brasileiro, corpo igualitário e emancipatório deste ideal do eu; e meus camaradas da Célula Internacionalista, minha luta estaria inevitavelmente perdida. Espero ter tempo ainda de refazer meus passos.[2]


[1] Para além da crítica que vê em Othello (Shakespeare, 1604) uma trágica história de ciúme, vejo também um homem negro preso à ideologia de seu tempo que mascarava as intenções expansionistas do Estado apresentando o exército como o mais alto depositário da honra e da glória que um indivíduo podia almejar. Othello ascendeu socialmente servindo a um exército que não o representava e que vergonhosamente o discriminou, condenou sua pretensão de casar-se com uma nobre branca e finalmente o descartou. Foi nada menos que sua fragmentação que o enfraqueceu e o levou a cair presa do maior exemplo de improvisação oportunista de um gênio do mal, seu inimigo mortal, ressentido e vingativo, Iago.

[2]  Escrevi este texto ao longo da última semana e no sábado 21 de agosto, após alguns tropeços digitais, participei do curso on line de Iniciação Partidária. Quero deixar registrado meu profundo respeito e a mais sincera gratidão a alguém que nem sonha que eu existo, Jones Manoel. O Youtube me apresentou ao Jones após eu ter assistido a um ou dois vídeos do Tese Onze, de Sabrina Fernandes e uma Rita von Hunty. Adeus Ritas, adeus Sabrinas… Não foram necessários muitos vídeos (apesar de ainda hoje eu esperar pelo domingo, quando entra mais um) para que começasse brotar a curiosidade e o impulso de procurar o PCB. Aqui estou; é com a mais genuína alegria que te saúdo, Camarada Jones Manoel.

PERU – The real political situation

Cláudio C S Ribeiro – musician and anthropologist.

The recent Peruvian elections (second turn last June, 6th), declared Pedro Castillo (Free Peru), a primary school teacher and union leader, as President. His political counterpart, the ultra-rightist Keiko Fujimori (Popular Force), did not accept the final ballot box score giving 44 thousand votes pro Castillo. Keiko’s party instigated a legal action, trying to annul the elections, but the appeal was considered unfounded by the Justice and Castillo must be led to the Presidency of Peru, the coming July 28th. Fascists and the radical right have reacted against Castillo’s proclamation with recurring street violence and vandalism.
Castillo says he represents a popular movement based on Socialism. He states clearly that Free Peru is a non-communist party that defends property and private enterprises, but fights for human rights and social equity. However, it is as yet too soon to find out which traditional forces are behind Castillo and whether Free Peru could face the structural colonialism of Peruvian society.
Keiko Fujimori, whose father Alberto serves long sentence for violation of human rights and political crimes, is investigated as well for false report of electoral fraud and international money laundering. Additionally, Alberto Fujimori’s other two sons are accused of involvement with drugs and different forms of corruption.
As is usual in many other countries, the ultra-right movement is supported by dirty capital, local corrupted elite, international corporations and Imperialism, whose only goal is to spread neoliberalism, with radical extractivism, the withdrawal of labour and social security rights and the imposition of new forms of colonization.
Even though Free Peru is a lighter force than the “deep” country would need, Castillo and the future Congress have the chance to rearrange Peruvian popular movement and subvert the old unfair social system.

Reflorestemos nossos corações e mentes

Por Suzi Berni

“Reflorestemos nossos corações e mentes”, palavras de Angélica Kaingang, ativista da etnia indígena dos Kaingangues, em live de 16/08 da Fração indígena do PCB pelo canal do YouTube do Poder Popular e mediada pelo camarada Claudio Ribeiro.
Reflorestemos. Quem, na sociedade capitalista, sabe o que é, o que realmente compõe uma floresta? Quem sabe como nasce o sol durante as quatro estações? Quem sabe diferenciar seus raios pelo contato com a pele e as plantas? Quem conhece o desenvolvimento de uma ou outra espécie de árvore? Quem entende o rio como um irmão? Quem sente o cheiro de uma cobra venenosa?
Quando Angélica e seus irmãos kaingangues se dirigiram ao RU da UFRGS para o almoço, não era no consumo da refeição que eles pensavam. Não era no status do local. Não era em quanto custava uma refeição. Era na ágape tribal. Era no prazer do convívio. Era na ingestão de alimentos que sustentam o corpo; não no consumo que aproxima o ser criado pelo capitalismo de qualquer ente da realidade, seja uma floresta, uma refeição, uma família. Os seres do capitalismo, quando se reúnem em família é para consumir comida e, em geral, álcool. Não é para um contato profundo, real, fluido entre um e outro. Raramente dizemos o que pensamos e ignoramos nossas diferenças. Não as reconhecemos e aceitamos. Não. Nós a negamos.
Então, a triste pergunta que fiz à entrevistada precisa de uma resposta que fique clara para toda a população brasileira: se os povos originários pudessem andar livremente pelas terras brasileiras, ela teria sentido vontade/necessidade de ir para a Universidade, esta filha do capitalismo cuja principal função tem sido a de apagar de nossas mentes e corações a existência da floresta?

Hasta siempre, camarada Santrich!

Jesús Santrich estará presente em todas as nossas lutas!

Ivan Pinheiro

“Levo seus abraços, risos e alegrias compartidas. Deixo-lhes o que fui, tal qual me conheceram, com minha alma desnuda a todo momento; deixo-lhes minhas canções, minhas prosas e meus poemas; deixo-lhes a cor de minhas pinturas e meus pensamentos, como a simples prova de meu apreço sincero e dos meus sonhos”.

O Comandante Jesús Santrich deixou-nos essa despedida premonitória, em 15 de abril de 2018, ainda vivendo em Bogotá, como um dos deputados nomeados pelas FARC, com base em cláusula do acordo que desmobilizou a guerrilha.

Como Iván Márquez (então senador, pelo mesmo critério), ele tinha consciência dos riscos que corria como inimigo do estado terrorista colombiano. Ambos haviam divergido da entrega prévia das armas e denunciavam o descumprimento do acordo por parte do governo e o assassinato de centenas de guerrilheiros desmobilizados. Há dois anos, abandonaram seus mandatos e voltaram às montanhas, para a Segunda Marquetalia.

Conheci os dois em um acampamento das FARC, na selva colombiana, em 2010, durante encontro de alguns dirigentes comunistas latino-americanos com delegação da insurgência, para conhecer seus pontos de vista e estreitar laços de solidariedade. Santrich foi o meu interlocutor, nos horários livres do tempo em que lá permaneci. Na véspera da minha partida, aceitei sua proposta de gravar uma entrevista para divulgação na rádio guerrilheira, após a confirmação de minha segura volta ao Brasil.

Escrevi a respeito dessa reunião o texto “Nas montanhas da Colômbia”, que transcrevo a seguir. Foi publicado no portal do PCB, em 25 de julho de 2010, quando eu cumpria tarefa como secretário geral do Partido.

Mais tarde, durante os diálogos com vistas a uma solução política para o conflito colombiano, estive com eles mais algumas vezes, em Havana, na delegação do Movimento Continental Bolivariano que acompanhava os entendimentos.
Jesús Santrich, além de intelectual orgânico e revolucionário exemplar, era poeta, músico e artista plástico, apesar de sua acentuada deficiência visual.

Seu assassinato, em covarde emboscada e em meio a intensas mobilizações populares em seu país, vai se voltar contra o estado terrorista colombiano e o imperialismo estadunidense, que transformou a Colômbia em sua base militar para a América Latina e o Caribe.

Juntando-se aos de Guevara, Marighella, Lamarca e tantos outros heróis da Nuestra America assassinados pelos nossos inimigos, o exemplo de Jesús Santrich será mais uma inspiração, entre os revolucionários, em todas as formas de lutas anticapitalistas e anti-imperialistas.

Hasta siempre, camarada Santrich!

Ivan Pinheiro é membro do Comitê Central do PCB

NÃO ESQUEÇA A VIOLÊNCIA SANGUINOLENTA DOS NEONAZISTAS: UCR NIA – 2014ODESSA, 2 DE MAIO. MARIUPOL, 9 DE MAIO DE 2014

Em 2014, o governo eleito democraticamente da Ucrânia, liderado pelo então Presidente Viktor Yanukovic, sofreu um golpe de estado concebido pelo imperialismo,  visando retirar a Ucrânia de uma posição de neutralidade e posicioná-la ao lado dos EUA e seus aliados ocidentais, levando-a ao combate contra a Rússia, transformando-a em membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte ( OTAN), o braço militar do imperialismo.  O golpe foi executado pelo movimento Euromaidan, composto por forças de orientação neonazistas, como o famigerado Batalhão Azov, e pela oligarquia mafiosa da Ucrânia.

Entre as atrocidades cometidas pelo Euromaidan, está vivo, na memória de todos, o dantesco incêndio da Casa dos Sindicatos, na cidade de Odessa provocado por bombas molotov jogadas contra o prédio por neonazistas, no dia 2 de maio de 2014. 

(Credito Yevgeny Volokin/Reuters)

O incêndio criminoso foi ateado por neonazistas que jogaram bombas molotov  contra o prédio. E no interior da Casa dos Sindicatos estavam muitas pessoas e sindicalistas. Os que tentavam fugir das chamas eram golpeados com bastões ou metralhados, nas portas do prédio ou na rua. Pouquíssimas pessoas se salvaram desse crime horroroso.  As imagens tétricas desses fatos percorreram o mundo pelas estações de TV e por redes sociais.

O dia 9 de maio é celebrado como o Dia da Vitória  sobre o nazismo na Segunda Guerra Mundial pela Federação Russa e por outros países. 

Nesse dia, em 2014, na cidade Mariupol, um importante porto no Mar de Azov, manifestantes celebravam o Dia da Vitória com uma marcha pacífica e ordeira. 

Lembravam que a cidade tinha sido ocupada, entre 1941 e 1943, e praticamente destruída pelo exército alemão, sendo, posteriormente, reconstruída pela então União Soviética.

Foi o bastante para que as forças neonazistas ucranianas atacassem os manifestantes, com tanques de guerra, armamentos de diversos calibres, provocando dezenas de mortos e feridos.

(Manifestantes tentam deter um tanque de guerra lançado contra participantes da marcha do Dia da Vitória em Mariupol, em 9 de maio de 2014)

Quando muitos países se deixam seduzir pelos cantos de sereia de grupos de extrema direita é significativo lembrar que o nazi-fascismo, em suas  diversas ramificações, só produz violência, assassinatos, fome, miséria.

Nos dias de hoje os neonazistas ucranianos, apoiados pelo imperialismo americano e seus aliados, continuam a guerra contra as Repúblicas Populares de Donestk e Lugansk que não aceitam o domínio fascista. 

É preciso que a civilização derrote a barbárie.

Lembrança criada por um grupo de internacionalistas – Cláudio Ribeiro, Erecina Figueiredo, Nubem Medeiros, Luciano K. Vieira e Humberto Carvalho.

DON’T FORGET THE BLOOD VIOLENCE OF NEONAZISTS: UKRAINE – 2014ODESSA, MAY 2. MARIUPOL, MAY 9, 2014

In 2014, Ukraine’s democratically elected government, led by then President Viktor Yanukovic, suffered a coup d’état conceived by imperialism, aimed at removing Ukraine from a position of neutrality and positioning it alongside the USA and its Western allies, taking it the fight against Russia, making it a member of the North Atlantic Treaty Organization (NATO), the military arm of imperialism. The coup was carried out by the Euromaidan movement, composed of neo-Nazi guiding forces, such as the infamous Azov Battalion, and the Mafia oligarchy in Ukraine.

Among the atrocities committed by the Euromaidan, the dante fire of the House of Trade Unions in the city of Odessa, caused by molotov bombs thrown at the building by neo-Nazis, on May 2, 2014, is alive in everyone’s memory.

(Credit Yevgeny Volokin/Reuters)

The arson was started by neo-Nazis who threw molotov bombs at the building. And inside the House of Trade Unions there were many people and union members. Those who tried to escape from the flames were hit with sticks or machine guns, on the doors of the building or on the street. Very few people were saved from this horrific crime. The terrible images of these facts traveled the world through TV stations and social networks.

May 9 is celebrated as the Victory Day over Nazism in World War II by the Russian Federation and other countries.

On that day, in 2014, in the city of Mariupol, an important port on the Sea of ​​Azov, protesters celebrated Victory Day with a peaceful and orderly march.

They remembered that the city had been occupied, between 1941 and 1943, and practically destroyed by the German army, being, later, reconstructed by the then Soviet Union.

It was enough for the Ukrainian neo-Nazi forces to attack the demonstrators with tanks of war, weapons of various calibers, causing dozens of deaths and injuries.

(Protesters attempt to stop a battle tank launched against participants in the Victory Day march in Mariupol, on May 9, 2014)

When many countries allow themselves to be seduced by the siren calls of extreme right groups, it is significant to remember that Nazi-fascism, in its various branches, only produces violence, murders, hunger, misery.

Nowadays Ukrainian neo-Nazis, supported by American imperialism and their allies, continue the war against the Donestk and Lugansk People’s Republics that do not accept fascist rule.

Civilization must defeat barbarism.

Remembrance created by a group of internationalists – Cláudio Ribeiro, Erecina Figueiredo, Nubem Medeiros, Luciano K. Vieira and Humberto Carvalho.