25 DE ABRIL – VITÓRIA DA LUTA ANTIFASCISTA NA ITÁLIA E EM PORTUGAL

Por Humberto Carvalho

ITÁLIA

Em 25 de abril de 1945, jornais de diversas tendências políticas como L´Unità, do Partido Comunista Italiano, Il Popolo, da Democracia Cristã, Avanti, do Partido Socialista e outros anunciavam o fim do fascismo na Itália.

Uns dias antes, em Turim, as forças antifascistas estabeleceram a data de 18 de abril como um ato político unitário, visando envolver várias categorias de trabalhadores, numa grande greve.Os fascistas emitem instruções destinadas a “esmagar com energia todo movimento sedicioso” e a repressão foi violenta, respirando-se um ar mesclado de tensão e sangue.  Na noite entre 17 e 18 de abril, a cidade se prepara para o movimento: trabalhadores, auxiliados por unidades guerrilheiras armadas, os partigiani, distribuem folhetos e colam cartazes, convocando a greve. Na manhã do dia 18 de abril, fábricas, lojas, mercados, escolas, transportes, correios e telefonia param. É a Greve Geral. No início da tarde, o sucesso da greve é ​​evidente: Turim está pronta para enfrentar o último e decisivo ato da luta de libertação, a greve da insurreição e o confronto aberto de 25 de abril de 1945.

Em 24 de julho de 1943, o Grande Conselho fascista destitui Mussolini do poder querestou aprisionado em um hotel na região do Gran Sasso. Mussolini, entretanto, foi resgatado por um comando nazista e se instalou no norte da Itália, controlada, naquele então, por tropas alemãs, criando a “República Social Italiana”, também conhecida como República de Saló, desesperada e inútil tentativa de se manter no poder e em obediência às ordens ditadas por seu congênere, Adolf Hitler.

Turim, Milão e outras cidadedo norte italiano deveriam ser tomadas pelas forças antifascistas o que ocorre em 25 de julho de 1945. Nessa luta, a bem da verdade, destaca-se o nome de Luigi Longo como comandante das Brigate Garibaldi, uma força de partigiani alinhadas ao Partido Comunista. Longo estará presente na prisão final de Mussolini, no Lago Como, efetuada pela Brigada Garibaldi. E mais tarde, será o Secretário-Geral do PCI.

PORTUGAL

(Crédito – Brasil de Fato)

Desde a carta constitucional de 1933, em Portugal, estabeleceu-se um regime com características fascistas, o chamado “Estado Novo”, chefiado por Antônio de Oliveira Salazar. O Estado Novo proibia, entre outros, greves e a existência de partidos políticos, exceção feita à União Nacional, partido criado por Salazar.

Esse regime, conhecido, também, como “salazarismo”, pois se tratava de um regime político centralizado na figura de seu fundador, defendia a manutenção de colônias, inspirado na ideia de um império português, porém republicano, autoritário e radicalmente conservador.

No salazarismo, a presidência da república sempre foi exercida por um militar de alto escalão. O Presidente da República indicava o chefe do Conselho de Ministros e Antônio de Oliveira Salazar era o nomeado, sempre.

Após a Segunda Guerra Mundial, a ONU passa a defender o direito de autodeterminação dos povos e assim, pressiona as nações para que concedam a independência às suas colônias.

Salazar muda o status das colônias para “províncias ultramarinas” e concede a cidadania portuguesa a todos os habitantes e, assim, tenta escapar das pressões internacionais em relação às colônias.

Isso não impede, entretanto, o surgimento das guerras coloniais pela independência o que desgasta o salazarismo.

Ainda, o modelo conservador impede a modernização de Portugal, apesar de relativa industrialização. Então, Portugal é um país pobre.

Salazar, em 1968, sofre um acidente vascular cerebral e é afastado de suas funções por incapacidade, vindo a falecer em 1970, sendo substituído por Marcelo Caetano. Militares, especialmente, capitães, cansados do regime que levava às guerras e à pobreza planejam derrubar o governo de Marcelo Caetano e em 25 de abril de 1974, os capitães, apoiados pelo povo, terminam como salazarismo e, mais tarde, são estabelecidas eleições democráticas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: