Lições do ataque ao Capitólio dos EUA

Por Phil Wilayto

O que aconteceu em 6 de janeiro, no Capitólio dos EUA, não foi um “protesto de partidários de Trump” e, sim, uma violenta tomada do Congresso por uma multidão fascista. E, embora cinco pessoas morressem e houvesse mais de 50 prisões, é óbvio para o grande público que esses infratores da lei, em sua maioria brancos, foram tratados de maneira muito diferente do que seriam se fossem negros ou outras pessoas de cor.

Você pode chamar isso de tentativa de golpe. Mas, não era um sinal de fascismo iminente. Foi uma multidão incitada por um egomaníaco enlouquecido por se tornar o único presidente em exercício em quase 30 anos a ser derrotado em uma eleição.

 Por que isso é importante dizer? Porque precisamos saber o que estamos enfrentando para que possamos estar preparados para lidar com isso.

 Não estamos na mesma situação hoje nos Estados Unidos. No meio de uma pandemia perigosa que levou a uma crise econômica para milhões e uma primavera e verão de rebeliões sustentadas contra assassinatos policiais e racismo sistêmico, a raiva generalizada contra o sistema foi desviada com sucesso para uma luta eleitoral entre os dois partidos do mais poderoso país capitalista. E porque a elite governante decidiu que era hora de Trump partir.

Donald Trump foi autorizado a se tornar presidente e permanecer no poder por quatro anos porque ele foi capaz de cortar impostos para os ricos, desregulamentar os negócios, reverter ganhos sociais e supervisionar um mercado de ações em disparada, o que resultou em muitos ricos se tornando muito mais ricos.

 Nem toda a elite ficou feliz com tudo o que Trump fez, mas os muito ricos podem viver com crianças imigrantes deixadas sozinhas em gaiolas, com a constante deterioração do meio ambiente, com a mudança climática acelerada e com o agravamento da opressão racial. Eles têm vivido com coisas muito piores desde a fundação da colônia da Virgínia em 1607.

 O que eles não podiam tolerar era a erosão constante do domínio dos Estados Unidos em escala mundial. A crescente hostilidade à China por todos os setores da classe dominante ocorre porque aquele país, que tem um controle estatal significativo sobre setores importantes da economia, está fazendo uma aposta séria pelo domínio econômico mundial, e Trump tem permitido que isso aconteça. Os EUA não são mais vistos como líderes em tecnologia, finanças e até saúde. Sua única reivindicação séria de “liderança” é como potência militar, embora esteja agora abandonando a guerra mais longa de sua história porque não conseguiu derrotar um inimigo reacionário mas determinado no Afeganistão, o 16º país mais pobre do mundo.

 Assim, a classe dominante surgiu com uma alternativa segura, uma figura do establishment que há muito provou seu compromisso com a defesa e expansão do Império Americano – Joe Biden. No longo prazo, isso é mais importante para o 1%  dos ricos do que cortes de impostos e lucros de curto prazo. A transição foi ameaçada por causa das profundas divisões no país, mas até mesmo Trump agora se comprometeu com uma “transição pacífica de poder” em 20 de janeiro, dia da posse.

 Então, como tudo isso se relaciona com a ação da multidão em 6 de janeiro em Washington, D.C.?

 O que precisamos saber  é se existiu qualquer apoio para um golpe real ou mesmo simbólico por parte de algum setor da classe dominante, como seria evidenciado pelo envolvimento de qualquer seção significativa da polícia ou dos militares. Se esse envolvimento existiu, não ficou evidente.

 Sim, a polícia do Capitólio se mostrou terrivelmente despreparada para o ataque, muito provavelmente porque eles não viram os fascistas declarados tão ameaçadores quanto os protestos anteriores do Black Lives Matter. Sim, houve relatos de policiais individuais tirando selfies com membros da turba e abrindo barreiras para permitir que eles entrassem no Capitólio. Mas quando a Guarda Nacional de D.C. foi ativada e juntou-se a centenas de soldados estaduais da Virgínia, Maryland e até mesmo de Nova Jersey para ajudar a polícia do Capitólio a remover a multidão, eles responderam. Policiais lutaram com membros da multidão, um dos quais foi morto a tiros. Três outras pessoas morreram devido ao que foi descrito como condições médicas. Um policial morreu devido aos ferimentos sofridos no confronto.

 É importante observar isso porque os policiais e os militares recebem ordens de seus superiores e, evidentemente, não havia apoio de alto nível para o ataque ao Congresso.

 E desde esses eventos, houve condenações ao ataque de todo o espectro político. Sete dos 13 senadores que antes haviam dito que contestariam os votos eleitorais de um punhado de estados retiraram seu apoio a esse esforço. Os senadores Ted Cruz (Republicano-Texas) e Josh Hawley (Republicano-Montana), líderes dos rebeldes do senado, tuitaram condenações da ação da turba violenta.

 Entre os líderes empresariais, a National Association of Manufacturers que representa as principais empresas da Fortune 500 como a Exxon e a Toyota, pediu a destituição do presidente Trump com base na 25ª Emenda, que permite a remoção de um presidente em exercício considerado incapaz de executar as funções do cargo. Nenhuma parcela significativa da classe dominante apoiou a violenta invasão do Capitólio.

 Mas, não estou dizendo que a ação da multidão invasora não foi extremamente séria, perigosa e sem precedentes. Em Washington D.C., e em capitais estaduais de todo o país, milhares de direitistas se manifestaram para se opor ao que é chamado de processo e instituições democráticas. Na Capital do país, centenas de pessoas mostraram-se dispostas a confrontar fisicamente os policiais, infringindo abertamente a lei, correndo o risco de prisão e até de morte para promover sua agenda, concretizar suas intenções.

 E é importante notar que, enquanto sete dos 13 senadores dos EUA abandonaram seu desafio aos votos eleitorais de alguns estados, seis mantiveram sua oposição. Isso não significa apenas que eles estavam favorecendo uma base reacionária de eleitores. Isso também significa que eles não estavam preocupados em perder o apoio financeiro dos interesses corporativos que os financiam em grande parte, o que significa que há setores da classe dominante que, embora não necessariamente apoiassem as ações da máfia invasora, ainda continuaram a apoiar o que era essencialmente a versão legal da tentativa da multidão de derrubar a eleição presidencial.

 Desta vez, polícia, guarda nacional e militares se opuseram à ação. Não podemos presumir que  sempre ocorrerá isso.

 O que deveria nos preocupar mais é que agora sabemos – se precisávamos de mais provas depois de Charlottesville – que há um movimento fascista crescente neste país que se opõe violentamente a tudo que um movimento progressista representa. Esse movimento fascista tentou se consolidar no comício “Unite the Right” (Unir a Direita) de agosto de 2017, mas sofreu um grande revés quando anti-racistas, principalmente jovens, saíram para se opor a ele. Essa contra-mobilização foi crítica, uma vez que a polícia local, municipal e estadual e a Guarda Nacional da Virgínia tinham ordens de se retirar (obrigado, governador Terry McAuliffe.) E, ao contrário dos protestos do Black Lives Matter neste verão, era correto para a juventude branca assumir a liderança no combate aos fascistas. (Os Defensores estão orgulhosos de ter estado no meio desses confrontos.)

 Mas esse movimento de direita desde então se recuperou, cresceu e se expandiu para além das organizações abertamente fascistas para incluir milhares de indivíduos em grande parte não afiliados, eufemisticamente chamados de “apoiadores de Trump”. Esses homens predominantemente brancos podem ter algumas queixas legítimas contra as políticas anti-neoliberalismo da classe trabalhadora do Partido Democrata, mas eles são levados à violência principalmente por sua própria hostilidade de supremacia branca à comunidade negra, imigrantes, pessoas LGBTQ, mulheres e os Esquerda. Eles estão aqui, estão crescendo em número e a polícia nem sempre estará disposta – ou inclinada – a impedi-los de atacar seus alvos.

 Em resposta aos eventos do dia 6 de janeiro, houve muitos comentários nas redes sociais, sugerindo que este foi um confronto entre civis reacionários e policiais reacionários e sem grande preocupação para a comunidade negra. Esta é uma conclusão perigosa de se chegar.

 A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha é associada costumeiramente ao Holocausto, que tirou a vida de seis milhões de judeus – um terço dos judeus europeus. Mas os judeus não foram os únicos alvos dos nazistas, nem foram os primeiros. O primeiro alvo era o Partido Comunista Alemão, que na época era o maior partido comunista do mundo, fora da União Soviética, fato que aterrorizava a classe dominante.

 Dei-me conta dessas verdades de maneira muito gráfica alguns anos atrás, quando minha esposa, Ana Edwards, e eu visitamos o Memorial e Museu Auschwitz-Birkenau, administrado pelo governo, na Polônia. Mesmo sob o regime populista reacionário do Partido da Justiça e da Justiça federal, as placas e sinalizações deixavam claro que os comunistas foram os primeiros a ser presos, encarcerados em campos de concentração como Auschwitz e torturados, trabalharam até a morte ou simplesmente assassinados. Os judeus que pensavam que a repressão permaneceria meramente política seriam tragicamente corrigidos.

 De forma semelhante, os fascistas que se reuniram em Charlottesville em 2017 alegaram que estavam defendendo o “Patrimônio do Sul” e se opondo aos antifascistas. Mas quando a manifestação foi finalmente encerrada pelos policiais (o plano de McAuliffe evidentemente era deixar as coisas sairem do controle para que a manifestação pudesse ser suprimida sem que a cidade ou estado fosse processado pelos fundamentos da Primeira Emenda), eles se reagruparam para marchar sobre um Conjunto Habitacional para  pretos. Ouvindo os relatos desses planos, anti-racistas, incluindo os Defensores, se mobilizaram para bloqueá-los. Isso é o que Heather Heyer estava fazendo naquele cruzamento quando foi fatalmente atropelada por um carro dirigido por um dos fascistas. Ela morreu defendendo a comunidade negra, fato que nunca recebeu o devido reconhecimento.

 Em suma, embora seu inimigo declarado possam ser os antifascistas, anarquistas e comunistas, os fascistas de hoje são fundamentalmente supremacistas brancos com muito medo de serem “substituídos” pelas mudanças demográficas projetadas para tornar os Estados Unidos um país de maioria negra por volta de 2040.

 Então, que conclusões podemos tirar de tudo isso? Quais são as consequências práticas? Porque não é suficiente apenas analisar a situação – precisamos decidir o que fazer.

 Os tempos de hoje clamam por uma esquerda organizada que levante muitas questões e seja  anti-imperialista para  que possa desenvolver e promover um programa para unir todos os trabalhadores e comunidades de diferente etnias, um programa que enfatize a solidariedade de classe enquanto promove o direito à autodeterminação de todos os povos oprimidos. E esse movimento deve ter a capacidade de se defender fisicamente das ameaças dos fascistas. Lamentavelmente, até agora, o nosso lado tem sido lamentavelmente inadequado nesse aspecto.

 Não falta coragem ao nosso pessoal. Faltam-nos números, organização, recursos e um programa unificado. Durante  décadas adotamos e elevamos a tática da não-violência ao nível de um princípio moral imperioso. Isso, efetivamente, desarmou grandes setores do movimento progressista a ponto de alguns ativistas acreditarem que defender a si mesmos e a suas comunidades significa “afundar-se ao nível” da direita. Anos promovendo a ideia de que os democratas poderiam ser um baluarte contra a direita enfraqueceram o entendimento de que a verdadeira defesa nossa só pode vir de um movimento independente. E a ascensão do complexo sem fins lucrativos, com sua dependência de financiadores liberais ligados aos democratas, contribuiu para o fim da consciência anti-guerra e anti-imperialista que era uma marca dos movimentos militantes raciais independentes, multifacetados que lideraram as lutas históricas das décadas de 1930 e 1960.

 Portanto, ao examinarmos os eventos de 6 de janeiro, não devemos tirar a conclusão de que estamos à beira de uma vitória fascista. Mas também não devemos ignorar a ameaça real e crescente de um movimento fascista genuíno.

Muito dependerá do surgimento de um líder carismático que possa realmente unir a direita. Esse poderia ser Trump, se ele decidir seguir esse caminho em vez de apenas voltar a ser um empresário corrupto e venal. Pessoalmente, acho que o discurso movido pelo medo de uma acusação, que ele fez em 7 de janeiro, condenando sua multidão leal por “se infiltrar” no Capitólio provavelmente acabou com suas chances de se tornar o Fuhrer americano.

 De qualquer forma, mais dependerá de uma seção significativa da classe dominante decidir que uma força paramilitar extra-legal é necessária para suprimir uma rebelião negra ou geral da classe trabalhadora ameaçadoras. Alguns dependerão dessas seções dispostas a financiar tal movimento. Foi assim que organizações fascistas surgiram na Ucrânia antes, durante e depois do golpe de direita, apoiado pelos EUA em 2014, que supostamente defendia a democracia, mas resultou em um governo mais que autoritário. (https://odessasolidaritycampaign.org).

Mas, quer isso se desenvolva ou não, o que está claro é que a esquerda precisa ampliar muito sua influência, bem como sua capacidade prática de se defender, defeder seus eventos e suas organizações e a comunidade em geral dos lutadores de rua de direita que agora não podemos negar que existem.

 Ignorar essa ameaça é contribuir para nossa própria derrota.

 Phil Wilayto é co-fundador da Virginia Defenders for Freedom, Justice & Equality, editor do jornal The Virginia Defender e coordenador da campanha antifascista Odessa Solidarity Campaign. Ele pode ser contatado em virginiadefendernews@gmail.com.

 Tradução: Humberto Carvalho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: