A SURPREENDENTE LONGA MARCHA DA REPÚBLICA POPULAR DA CHINA

Se nos questionarmos quais são as revoluções mais importantes na história da libertação dos povos, certamente teremos a Revolução Francesa (1789), a Revolução Russa (1917) nas primeiras colocações e, em terceiro lugar, a Revolução Chinesa que culminou na proclamação da República Popular da China em 1º de outubro de 1949, há 70 anos, e continua.
Este ano, também se comemora os 100 anos da criação, em 1919, da IIIª Internacional, obra de Lênin que vislumbrou a necessidade da luta contra o imperialismo e o colonialismo, unificando trabalhadores e povos oprimidos. A esse respeito, é bom lembrar um trecho do texto de Ho Chi Min, por ocasião dos funerais de Lênin, publicado no Pravda, em 27 de janeiro de 1924: “…este grande líder, depois de haver libertado seu próprio povo, desejou libertar outros povos. Ele convocou os povos para colaborarem com os asiáticos e com os africanos para libertá-los do jugo de seus agressores estrangeiros, de todas as potências ocupantes, dos Governadores Gerais, etc. E para atingir esta meta, ele delineou um programa definitivo”.
Foi Lênin quem asseverou o direito inalienável à autodeterminação das nações oprimidas e conclamou os povos oprimidos a se levantarem contra o jugo do colonialismo e do imperialismo. Desse modo, os movimentos de libertação nacional, desde então, passaram a contar com o apoio decidido do primeiro Estado socialista e dos jovens partidos comunistas que foram se formando, inclusive nos países imperialistas.
A revolução chinesa se caracterizou por ser antiimperialista, contra o colonialismo, de libertação nacional e socialista.
Não pretendo aqui fazer um relato da Revolução Chinesa, complexa, longa, com muitas etapas marcantes na História, como a Longa Marcha. Mas, sim, dizer que essa Marcha prossegue. Iniciada com um exército proletário e de camponeses em luta contra os “nacionalistas” de Chiang Kai Shek e dos senhores da guerra, trazendo esperança e liberdade entre os pobres e os trabalhadores à medida que avançavam, transformou-se, hoje, na marcha para fazer da China a maior potência econômica do Mundo.
Não podemos esquecer o que era a China, antes da Revolução: composta por 90% dos agricultores famintos, a população tinha o padrão de vida mais baixo do planeta. Era inferior ao da antiga África britânica e subsaariana da Índia. Nesta terra onde a vida estava pendurada por um fio, a expectativa de vida era entre 36 e 40 anos. Abandonada à ignorância, apesar da riqueza de uma civilização de mil anos, 80% da população chinesa era analfabeta.

Hoje, a economia chinesa responde por 18% do PIB global em paridade de poder de compra e superou a economia dos EUA. A China é a principal potência exportadora do mundo. Sua força industrial é duas vezes a dos Estados Unidos e quatro vezes a do Japão.
Esse desenvolvimento econômico melhorou drasticamente as condições de vida do
povo chinês. A expectativa de vida aumentou de 40 para 64 anos sob Mao (de 1950 para 1975) e agora se aproxima de 77 anos (contra 82 na França, 80 em Cuba, 79 nos EUA e 68 na Índia) . A taxa de mortalidade infantil é de 7% contra 30% na Índia e 6% nos Estados Unidos. O analfabetismo está praticamente erradicado.
Ainda mais significativo, a taxa de pobreza, de acordo com o Banco Mundial, passou de 95% em 1980 para 17% em 2010 e 3,1% em 2017. Xi Jinping prometeu sua erradicação até 2020.
A China de Mao se beneficiou primeiro da assistência da URSS, mas foi interrompida em 1960 durante o cisma sino-soviético. Foi para resolver esse problema crucial que Deng Xiaoping organizou em 1979 a abertura gradual da economia chinesa ao capital externo: em troca dos lucros obtidos na China, as empresas estrangeiras realizariam transferências de tecnologia para as empresas chinesas.
Como órgão governante do país desde 1949, o Partido Comunista Chinês sabe que o menor desvio da linha de bem-estar coletivo seria mal compreendido e provocaria sua queda. Acostumados a pensar que a democracia se baseia no ritual eleitoral, os ocidentais não entendem esse sistema. Além disso, eles nem vêem que sua “democracia” acomoda uma designação de presidente pelos bancos, enquanto na China os bancos obedecem ao presidente.
Para impulsionar o desenvolvimento do país, os comunistas chineses construíram uma economia mista impulsionada por um estado forte. Seu principal objetivo é o crescimento, apoiado desde as reformas de 1979 na modernização das empresas estatais que dominam os principais setores, construindo um setor privado forte, e a transferência de tecnologia de países mais avançados. Ao contrário do que às vezes é dito, foi o próprio Mao Tse Tung quem iniciou esse processo em 1972, quando restabeleceu as relações com os Estados Unidos.
Nenhum país capitalista alcançou o elevado nível de desenvolvimento, em 70 anos, da China. E isso é um feito grandioso do Partido Comunista Chinês.
Muitos falam que a China é um país capitalista, de estado, ou não, que mistura mercado e socialismo e por aí vai…
Mas, esquecem que, na Rússia Soviética, após a Guerra Civil, em 1921, Lênin aplicou a NEP (Nova Política Econômica), com traços capitalistas, para a formação de um capital social inicial que seria utilizado na construção do socialismo. Um censo de 1897 afirmava que a população russa era de 128 200 000 habitantes. Era preciso alimentar essa população. A NEP findou com o Iº Plano Quinquenal, em 1928, visando uma rápida industrialização da já URSS (que foi fundada em 1922).

Vejo o atual período de crescimento da China, como uma espécie de NEP chinesa para alimentar uma população de 1.394.550.000 habitantes. E devido a esse bilionário número, talvez a “NEP” chinesa tenha de durar mais tempo do que a soviética.
A experiência histórica da República Popular da China é única: é o sucesso de uma
estratégia de saída do subdesenvolvimento em uma escala sem precedentes e sob a
liderança exclusiva de um partido comunista, no rumo do socialismo.

Humberto Carvalho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: